"Ventário", Anna Costa e Silva

Anna Costa e Silva e Rafa Éis abrem exposição com trabalhos realizados em colaboração com servidores públicos da Cultura-Rio

(Rio de Janeiro, RJ)

Durante um período de doze meses, entre 2022 e 2023, os artistas Anna Costa e Silva e Rafa Éis deslocaram seu espaço de ateliê para as salas e os corredores da Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro. A exposição Formas de Respirar, com abertura nesta quarta-feira, dia 03 de abril, no Espaço Cultural Municipal Sérgio Porto, convida o visitante a adentrar as vivências dos artistas na residência por meio de instalações, filmes, desenhos, fotografias e textos, realizados em colaboração com servidoras e servidores da SMC-RJ. Anna Costa e Silva apresenta o filme-devaneio “Ventário”, e Rafa Éis apresenta a série de fotografias e esculturas “Formas de Respirar”, que dá nome à exposição. Em comum, ambos projetos buscam um olhar pessoal e subjetivo para e com os servidores participantes, em contraponto às jornadas de trabalho automatizadas e muitas vezes asfixiantes.

No lugar de tintas ou materiais, estiveram processos de escuta e conversa, realizados dentro da Secretaria, em que os artistas convidaram servidoras e servidores a participar, abrindo brechas para a expressão individual e coletiva no meio do cotidiano de trabalho. Rafa e Anna foram a terceira geração de artistas participantes da Residência Artística Setor Público, que prevê a imersão de artistas em órgãos públicos brasileiros, para construir processos e/ou objetos em colaboração com os funcionários dessas instituições.

“Ventário”, Anna Costa e Silva

Saiba mais sobre o projeto de cada um dos artistas abaixo:

– “Ventário”
Filme no qual Anna convidou servidoras e servidores a criar personagens fantásticos e figurinos para materializar seus desejos, angústias e sensações. O projeto começou com uma chamada aberta para escutas, nas quais a artista encontrava com um participante por vez para ouvir suas histórias e o que estava vivo em cada um naquele momento. Juntos, começaram a criar um repertório de cores, texturas e imagens para aquilo que cada participante estava sentindo.

A partir dessas escutas, Anna convidou o stylist José Camarano para criar figurinos para cada um dos participantes. As imagens e cores descritas ganharam formas, cortes, pesos e movimentos. Os servidores puderam, então, sentar em suas mesas vestindo uma história, um desejo, uma angústia, ganharam maquiagens que mostravam o que estava transbordando, ou objetos estranhos ao ambiente e, assim, tiveram uma nova experiência com seu corpo naquele espaço de trabalho. Além de vestir os figurinos, cada participante desenvolveu uma série de gestos que brincavam com as coreografias do dia-a-dia de trabalho, introduzindo elementos curiosos e extra-cotidianos, que levam o filme para uma atmosfera surrealista. A direção de movimento foi feita em colaboração com a atriz e diretora Raquel Karro.

O projeto se desdobra numa instalação audiovisual que convida o espectador a uma imersão, adentrando um universo lúdico e suspenso, com uma projeção de 4 metros. Por entre as mesas de trabalho, uma bailarina dança com protocolos, um homem-computador contempla a vista, uma mulher carrega uma pipa com pesos, um homem-neon se mistura às luzes do corredor. Além do filme, compõem a instalação dípticos de fotografias e textos impressos com relatos em primeira pessoa de cada participante e uma série de vocábulos inventados pelos participantes pra dar nome às coisas que sentem. Ventário, que dá nome à instalação, é um dos vocábulos inventados no processo de escutas – “Da ordem das coisas que ventam e contagiam. Das coleções de devaneios que acontecem no dia-a-dia e envolvem mais de uma pessoa.”

Clique nas imagens abaixo para ampliá-las:

– “Formas de respirar”
Tratou de uma ação envolvendo rodas de conversa, práticas de cuidado em saúde mental e práticas de arte. Criada por Rafa Éis e Thaís Ayomide, “Formas de respirar” contou com a colaboração de Anna Costa e Silva e Diego Soares e, claro, a participação de diversos profissionais da SMC-Rio. A ação foi realizada como trabalho final do período de residência artística de Rafa Éis na Secretaria Municipal de Cultura da cidade do Rio de Janeiro por meio da RASP envolvendo quatro encontros:

– Respirar uma conversa aberta: Encontro envolvendo exercícios de respiração e conversa aberta em torno de saúde mental.
– Estratégias para respirar melhor: Roda de conversa com Diego Soares (psicólogo, escritor e artista visual)
– Asfixia ou a materialização da angústia: Práticas integradas de corpo, desenho, escrita e relação que visam criar um espaço acolhedor para a olharmos nossas angústias e criar contornos para as sensações de asfixia.
– Oxigênio: Encontro de criação de imagens através de um ensaio fotográfico onde os participantes performam práticas poéticas de respiração e de asfixia.

O programa partiu do encontro com seus participantes e direcionou o olhar para a pandemia psicológica que se instaura e se dissipa desde a chegada da COVID-19, em meio às políticas de asfixia generalizada no mundo e no Brasil – seja pela falta planejada de cilindros de oxigênio, pela fumaça das queimadas, pelas crises de pânico e ansiedade, pelas transformações nas relações de trabalho e nos modos de sociabilidade ou pela brutalidade policial.

Como um espaço possível de respiração e acolhimento, esse conjunto de gestos se propôs, também, como um dispositivo de escuta, mapeando respiros e asfixias cotidianas, partilhando repertório de cuidado no âmbito da saúde mental e criando imagens e registrando palavras buscando formas para dar conta da experiência ainda talvez pouco nítida nos enfrentamentos recentes.

“Formas de respirar”, mostra de Anna Costa e Silva e Rafa Éis
De 03 a 28 de abril, 2024
Abertura: 03 de abril – 18-21h

Centro Cultural Municipal Sérgio Porto
Rua Humaitá, 163 – Humaitá, Rio de Janeiro
De quarta a domingo, das 16h às 21h
Informações: 21 2242-1012 / 21 99406 9009



O PIPA respeita a liberdade de expressão e adverte que algumas imagens de trabalhos publicadas nesse site podem ser consideradas inadequadas para menores de 18 anos. Copyright © Instituto PIPA