Lançamento do PIPA 2020: 11ᵃ edição

É com grande orgulho e alegria que anunciamos a 11a edição do Prêmio PIPA. Concebido para divulgar e apoiar a arte e os artistas visuais brasileiros, ao longo da última década tornou-se uma referência da arte contemporânea brasileira. Uma plataforma de divulgação, pesquisa e discussão através de suas publicações, sites, redes sociais e mais recentemente através do canal de podcast Artifício

 

“O maior desafio num projeto de longo prazo como o PIPA é estabelecer padrões que funcionem e não requeiram uma frequente reavaliação, que custam tempo e consomem energia. O ideal seria aplicar recursos em algumas (poucas) inovações a cada ano. Num processo Darwiniano, as que se mostram mais adequadas às circunstâncias são incorporadas e as que perdem o propósito ficam pelo caminho.

Ano passado, em 2019, quando o Instituto PIPA completou 10 anos, fizemos uma experiência importante: mudar o local da exposição dos quatro finalistas do MAM-Rio, nosso parceiro nos primeiros nove anos, para a Villa Aymoré, na Glória. Além das dificuldades normais que vêm com todas as mudanças, não foi fácil deixar de contar com os profissionais do MAM-Rio da mais alta qualidade e com quem desenvolvemos amizades pessoais, principalmente as equipes de design, produção, curadoria, museologia e montagem.

Mas as expectativas eram grandes. A Villa Aymoré nos permitiria maior controle sobre espaços e mais tempo para montar a exposição uma vez que o Instituto PIPA é acionista do empreendimento e já vinha fazendo exposições de seus artistas naquele local. 

A exposição na Villa Aymoré foi um sucesso, mas apresentou alguns desafios, como a circulação de público. Ao longo do ano, no entanto, questões administrativas e societárias específicas do empreendimento Villa Aymoré nos levaram a repensar, novamente, o local da exposição para 2020. 

Enquanto paira incerteza sobre o futuro papel da Villa Aymoré no cenário das artes cariocas optamos por “tocar a bola para frente” e fazer a exposição dos finalistas deste ano num dos pontos mais nobres do Rio, que tão simpaticamente nos abriu seu magnífico espaço: o Paço Imperial, no Centro.” – Roberto Vinhaes, sócio-fundador da IP Capital Partners, do PIPA Global Investments , da Landmark ( Villa Aymoré) e do Instituto PIPA.

Montagem das 10 capas dos catalogos do primeiros 10 anos

 

Com o propósito de marcar os dez anos anos do Prêmio, escolhemos a cor laranja como referência para 2020. Este laranja remete ao nosso começo, sendo uma variação do tom que estava preenchendo nossa primeira pipa em 2010. Hoje, dez anos depois, concluímos que temos novos caminhos a serem desenhados, embora a essência do Prêmio permaneça a mesma desde o início. Projetamos o futuro com a mesma visão, missão e objetivos de quando criamos o Prêmio, mas abertos para as novas possibilidades e construções, lançando o olhar para as novas narrativas dos próximos ciclos.

O Prêmio PIPA tem como objetivo destacar artistas com trajetória recente, iniciada nos últimos quinze anos, mas já relevante. Cabe ressaltar que como o Brasil possui várias micro-cenas regionais, temos interesse em afirmá-las na sua diversidade. Já passaram pelo Prêmio na última década importantes nomes da arte brasileira, cujo trabalho tem ganhado relevante projeção internacional. Em destaque, os vencedores são: Renata Lucas (2010)Tatiana Blass (2011)Marcius Galan (2012) , Cadu (2013)Cadu (2013)Alice Miceli (2014)Virginia de Medeiros (2015), Paulo Nazareth (2016)Bárbara Wagner(2017)Arjan Martins (2018) e Guerreiro do Divino Amor (2019).

A seleção dos artistas, em 2020, se mantém através de indicações pelos membros do Comitê de Indicação, formado por cerca de 20 a 40 profissionais e pessoas que acompanham o circuito de arte contemporânea brasileira convidados pelo Conselho do PIPA. Cada um é responsável por nomear de um a três artistas de trajetória recente, mas cuja produção seja consistente e esteja em evidência. Desses indicados, os artistas que assinarem o Termo de Participação e atenderem todas as solicitações da Coordenação do PIPA dentro dos prazos informados podem participar do PIPA Online e, a partir da definição do Conselho do Prêmio PIPA, ser selecionados entre os quatro finalistas.

O modelo de premiação permanece igual ao adotado na décima edição. Cada um dos quatro finalistas irá receber uma doação de R$ 30 mil para a realização da exposição do Prêmio, e o vencedor – escolhido pelo Júri de Premiação – terá direito a uma doação adicional de R$ 30 mil para desenvolver um projeto ou obra a ser apresentado ao Instituto PIPA e ao Júri de Premiação. Esse projeto poderá ser uma publicação, uma obra comissionada, uma viagem de pesquisa, uma residência artística, um site, uma exposição etc. A proposta do Prêmio reforça a missão de estimular a arte brasileira e tem como objetivo contribuir para o desenvolvimento e realização de novos projetos de interesse do artista.

O PIPA Online 2020 mantém o voto pela internet em duas fases. Assim como nos últimos dois anos, no primeiro turno também será necessário votar, no mínimo, em três artistas concorrentes. Dessa forma estimula-se que o público conheça mais artistas.  No segundo turno, o eleitor pode escolher apenas um entre os artistas que obtiveram mais de 500 votos na primeira fase. Esta vitrine virtual, que busca ser 100% democrática e descentralizada, é especialmente útil para os artistas de fora do eixo Rio-São Paulo que não são representados por galerias: eles encontram na votação uma maneira de mobilizar pessoas e, desta maneira, divulgar ainda mais o seu trabalho. O PIPA Online premia o artista que recebe mais votos ao final do segundo turno da votação com uma doação de R$ 15 mil.

Foto Paco Imperial

A exposição dos finalistas do Prêmio PIPA 2020 está programada para o período de 12 de setembro a 15 de novembro, no Paço Imperial. Situado na Praça XV, região central e relevante para o cenário cultural carioca, o Paço Imperial, atualmente, é um espaço multicultural com programação de artes visuais, arquitetura e design, espetáculos de artes cênicas, concertos musicais, seminários e palestras, entre outras atividades. O Paço dispõe de uma biblioteca de arte e arquitetura (Biblioteca Paulo Santos) com cerca de oito mil volumes e 250 títulos de periódicos, além de livraria e restaurante. 

A construção do século XVIII é um símbolo histórico do Brasil Colônia, Real e Imperial. O prédio foi residência dos governadores da Capitania do Rio de Janeiro, do Vice-Rei do Brasil, do Rei de Portugal Dom João VI e dos Imperadores do Brasil. Em 1938, o Paço Imperial foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) / Ministério da Cultura. Em 1985, depois de restaurado, tornou-se um centro cultural vinculado ao IPHAN e atualmente, de acordo com a instituição, fomenta “a pesquisa e a produção de conteúdo para o mapeamento, o incentivo e a difusão de manifestações artísticas e intelectuais”. Em 2020, o Prêmio PIPA se conecta à história do Paço e acrescenta experiências culturais contemporâneas à instituição que ampara “as expressões do mundo atual”.

No dia 20 de março apresentaremos o Comitê de Indicação de 2020 que irá escolher os artistas dessa 11a edição. Os artistas indicados serão anunciados em boletins de 30 de março a 3 de abril.

Todos os participantes desta edição terão suas páginas individuais nos sites do PIPA, juntando-se às 430 já existentes, e constarão do catálogo de 2020. Serão ainda convidados para gravarem vídeo entrevistas. Todo esse material funciona como uma vitrine para os artistas divulgarem seus trabalhos, e reforçam a vocação do PIPA como a janela da arte contemporânea brasileira.

Visite a página do Regulamento para saber mais sobre o Prêmio PIPA 2020 e confira o cronograma e a página do Conselho para saber quem são os nossos membros. Fique de olho nos próximos anúncios e novidades!

 


O PIPA respeita a liberdade de expressão e adverte que algumas imagens de trabalhos publicadas nesse site podem ser consideradas inadequadas para menores de 18 anos. Copyright © Instituto PIPA