Materiais cotidianos servem de reflexão sobre passado e futuro na individual de Iris Helena

(São Paulo, SP)

Materiais do dia a dia são a matéria prima das obras da artista paraibana, Iris Helena, na individual “Práticas de arquivo morto – Notas”. Ela, que emprega em sua arte recibos de cartão de crédito, marcadores de página, papel higiênico, lembretes autoadesivos, dentre outros objetos corriqueiros, expõe seu trabalho do dia 12 de novembro de 2019 a 19 de janeiro de 2020 na CAIXA Cultural São Paulo, com entrada gratuita.

A mostra conta com curadoria de Agnaldo Farias e apresenta ao público cerca de 20 trabalhos da artista que foram produzidos na última década.  Estes foram feitos a partir de materiais perecíveis e que são muito presentes no nosso cotidiano, como cartões de crédito que serviram de suporte para impressões térmicas ou a jato de tinta de fotografias ou imagens de arquivo, e que também integraram instalações de caráter narrativo. Como explicado no release da exposição, “Sua pesquisa caracteriza-se pela investigação crítica, filosófica, estética e poética da paisagem urbana a partir de um diálogo entre a imagem da cidade e as superfícies escolhidas para materializá-la. Os suportes precários e ordinários são muitas vezes retirados de seu consumo cotidiano e possibilitam a (re)construção da memória atrelada ao risco, a instabilidade, sobretudo, ao desejo do apagamento”. Iris dialoga com o presente e com as raízes e reflete sobre o que virá, e preza os temas perecimento, fugacidade e transformação.

Uma das obras expostas é a série “Lembretes” (2009-2019), em que uma fotografia da paisagem de João Pessoa (PB), impressa em centenas de post its amarelos presos à parede,  se desfaz à medida que os adesivos se descolam da superfície, deixando vago espaços na instalação. Já sobre o trabalho “Diários” da série “Arquivo Morto” (2012-2019), o release elucida a prática da artista: “Iris mapeia as ações do seu cotidiano nos anos de 2012, 2013 e 2014, espetando em pinos de metal centenas de notas esmaecidas de cartão de crédito, e criando uma espécie de escultura contábil”. As últimas obras da mostra são dois trabalhos resultantes de duas residências artísticas, uma na Alemanha, em 2012, e outra no município de Sena Madureira (AC), em 2016.

“Práticas de arquivo morto – Notas”, individual por Iris Helena
De 12 de novembro a 19 de janeiro

CAIXA Cultural São Paulo
Praça da Sé, 111, Centro, São Paulo
Terça a domingo, das 9h às 19h
Entrada franca



O PIPA respeita a liberdade de expressão e adverte que algumas imagens de trabalhos publicadas nesse site podem ser consideradas inadequadas para menores de 18 anos. Copyright © Instituto PIPA