V Mostra 3M de Arte Digital – “Canções de Amor”

(São Paulo, SP)

Lais Myrrha, Milton Marques e Tatiana Blass participam da V Mostra 3M de Arte Digital, que ocupa o Instituto Tomie Ohtake até 30 de novembro. O tema desta edição, “Canções de Amor”, fala da temática do amor como algo amplo: projeção empática em direção ao outro com quem se quer estar junto.

Conceito: “Do que são feitas as canções de amor?”
Como a assimilação de novas tecnologias e redes digitais pode influenciar e remodelar a pulsão que nos leva a fazer e ouvir canções de amor? Ou seja, o que acontece com nossa necessidade de construir relações de afeto conforme se atualizam as possibilidades técnicas de comunicação e de construção de identidade social? São essas perguntas, entre outras, que a V Mostra 3M de Arte Digital pretende abordar. Entendemos o amor em sua acepção ampla, ou seja, como projeção empática em direção ao outro com quem se quer estar junto. Propomos, então, uma exposição que conta com projetos artísticos para refletir como diferentes modelos técnico-sociais transformaram e seguem transformando os canais por onde escoa essa empatia.

Sua primeira seção conta com dispositivos artísticos que visam compreender quem é o visitante; apreender um pouco da sua identidade e desejos para talvez tornarem-se mais íntimos dele. Em seguida, a mostra se divide em três momentos. No primeiro, encontramos obras que não poderiam ter sido feitas há quinze anos, antes da existência do Facebook, YouTube, Blogger e até do Orkut.
São gestos que nascem no ambiente digital online e da dinâmica de compartilhamento de dados e auto-exposição pelas redes sociais. Depois, encontram-se obras recentes voltadas para tecnologias desenvolvidas entre os anos 1960 e 1990: a era dos populares dispositivos portáteis (dos rolos de filme Super-8 às pequeninas fitas eletromagnéticas Hi-8, ainda antes da internet); as obras nos lembram do quanto cada recurso parecia já vir com um repertório próprio de poses e cenas geradas pela intersecção das características dos equipamentos com os hábitos e rituais das famílias de classe média – seus principais consumidores.

No seu conjunto, a exposição reúne diferentes maneiras de estar junto de alguém cuja ausência se faz presente. Podemos olhá-las como desdobramentos, condensações, efeitos colaterais, paródias e homenagens às canções de amor, que se tornaram possíveis pelas inflexões no processo de transformação da comunicação social, do registro audiovisual e da produção cultural. Mesmo que as obras expostas não sejam todas exemplares da arte digital stricto sensu, elas permitem considerar as relações entre afetos, linguagens e meios, desde perspectivas lançadas nesta era digital.

Para a exposição, Lais Myrrha criou a rádio “Eu não existo sem você”. Visitantes podem enviar suas histórias, que são transmitidas diariamente.

Milton Marques apresenta quatro de seus aparatos sutilmente ligados ao tema do amor.

Tatiana Blass desenvolveu uma pintura em tela de 3 metros para a exposição.

V Mostra 3M de Arte Digital – “Canções de Amor”, coletiva com participações de Lais Myrrha, Milton Marques e Tatiana Blass
Em cartaz até 30 de novembro
Visitação: de terça a domingo, das 11h às 20h
Entrada gratuita

Instituto Tomie Ohtake
Avenida Faria Lima, 201 (entrada pela Rua Coropés) – Pinheiros
T.: 55 11 22451900



O PIPA respeita a liberdade de expressão e adverte que algumas imagens de trabalhos publicadas nesse site podem ser consideradas inadequadas para menores de 18 anos. Copyright © Instituto PIPA