Últimos dias | Mostras de Christian Vinck e Mariana Maurício na Galeria Leme

(São Paulo, SP)

O artista venezuelano Christian Vinck e a carioca Mariana Maurício apresentam mostras individuais na Galeria Leme. Em “ALBÚM Nº3 / pintura S U D A K A”, o artista desarticula e revisita certas ideias preconcebidas sobre a pintura popular de nosso continente, jogando com as regras de sua composição e propondo uma revisão pessoal e histórica de sua configuração. Já Mariana trabalha, principalmente, com a re-significação de memórias imagéticas através da interferência sobre fotografias coletadas.

Sobre “ALBÚM Nº3 / pintura S U D A K A”:
Pensar na pintura de nosso continente, não da sua origem, mas sim de sua releitura, é uma tarefa que aponta diretamente a problematizar a história do território em que vivemos. Os deslocamentos da pintura popular, em momentos próximos ao primitivismo e visceralidade dos seus temas, invariavelmente acabam tornando-se um negócio de caráter pessoal. Assim se constrói uma coleção que junta grandes e pequenas histórias ou um inventário que remete as profundas narrativas que se cruzam. Estes aspectos são chaves para a exposição de Christian Vinck.

Entre as obras expostas estão: a série “Cerro e Piedra”, uma revisão exaustiva da Serra Huelén, em Santa Lucia, Chile, um conjunto de paisagens metafóricas do ponto zero de Santiago, que viajam no tempo através de diferentes arquivos visuais uma vez que representam uma pesquisa sobre as utopias das construções hispânicas, destinadas a ser o maior aparato de defesa contra os povos nativos que povoaram o território da capital do país.

Sobre a individiual de Mariana Maurício, segundo a própria artista:
Durante o processo estou sempre lendo, procurando fazer conexões teóricas, e buscando similaridades. Fiz estes trabalhos pensando no doméstico, no espaço, na culpa e nos pesos que carregamos. Mas só descobri isso depois que os trabalhos estavam prontos. Primeiro eles se materializam, depois eu encontro significados.

Há cerca de um ano, além de fotografias, comecei a colecionar objetos que encontro no meu dia a dia, principalmente achados pelos caminhos que percorro. As vezes ando 7, 8 horas, dias inteiros, buscando não sei o que – até encontrar. Não há uma ordem, nem nenhuma regra tangível.

É como se a ideia das fotografias passasse a ter uma tridimensionalidade expressada por estes objetos. Da mesma maneira que roubava e mudava a memória das fotografias, também me pergunto quem usou certo objeto, quem leu aquele livro ou revistas, em fim, a função e memória do objeto em si. Os objetos injetam valores, significado e as vezes narrativas para as fotos.

Mostras individuais de Christian Vinck e Mariana Maurício
Em cartaz até 14 de novembro

Galeria Leme
Av. Valdemar Ferreira, 130
Funcionamento: de segunda a sexta, das 10h às 19h; sábados das 10h às 17h
T.: +55 11 3093.8184
info@galerialeme.com



O PIPA respeita a liberdade de expressão e adverte que algumas imagens de trabalhos publicadas nesse site podem ser consideradas inadequadas para menores de 18 anos. Copyright © Instituto PIPA