Artistas indicados ao PIPA em exibição no Museu de Arte do Rio

(Rio de Janeiro, RJ)

Seja debatendo a relação entre arte e educação, discutindo os processos de marginalização e de revitalização da Zona Portuária da cidade, politizando o mascote da Copa do Mundo, ou expondo obras que têm relação com a região amazônica, quatro mostras coletivas em cartaz no Museu de Arte do Rio – MAR apresentam trabalhos de diversos artistas indicados ao PIPA. São elas:

“Tatu: futebol, adversidade e cultura da caatinga”

Em cartaz até 19 de outubro. Clique sobre o título da mostra para mais informações.

Mostra que propõe politizar a figura da mascote da Copa do Mundo, o tatu-bola ou Fuleco através de uma combinação de surpresas, diversão e questionamento crítico ao abordar o universo simbólico do futebol e da caatinga, o habitat natural e exclusivo desse tatu, espécie ameaçada de extinção, que ao virar bola para se defender de seu predador torna-se presa fácil do homem. Julio Leite, Lenora de Barros, Pablo Lobato, Rodrigo Braga e Tony Camargo estão entre os artistas participantes.

“Pororoca – A Amazônia no MAR”

Em exibição até 23 de novembro. Clique sobre o título da mostra para mais informações.

Formada por mais de 500 obras de artistas amazônicos ou que trabalharam nessa parte ainda pouco conhecida do Brasil, a Coleção Amazônia do MAR tangencia debates ecológicos, cosmológicos, sociais, antropológicos e políticos, abordando a produção estética dessa região em suas plurais dimensões, da iconografia à produção artística contemporânea. A mostra tem curadoria de Paulo Herkenhoff e inclui obras provenientes de diversos fundos da Coleção MAR, como a Fundação Rômulo Maiorana, o Fundo Berna Reale e o Fundo Z. Armando Queiroz, Berna Reale, Ivan Grilo, Luiz Braga e Rodrigo Braga, entre outros.

“Há escolas que são gaiolas e há escolas que são asas”

Em cartaz até 11 de janeiro de 2015. Clique sobre o título da mostra para mais informações.

As mais de 180 peças da exposição foram divididas em quatro núcleos: Dispositivos: estão expostos instrumentos de finalidade educativa e obras que se apropriam de elementos do universo escolar; Linguagem: a palavra e a língua têm destaque, assim como a caligrafia e suas formas de atribuir expressividade aos signos; Processos: em uma instalação, Marilá Dardot cria mapas juntamente ao público. O resultado são livros que integrarão a mostra; e Teorias: discussão das obras de Anísio Teixeira, Paulo Freire e Darcy Ribeiro. Jonathas de Andrade aborda o método de alfabetização de Freire com a série “Educação para adultos”. Ana Miguel, Cinthia Marcelle, Felipe Barbosa, Felipe Cohen, Grupo Empreza, Gustavo Speridião, Jonathas de Andrade, Lenora de Barros, Luciana Paiva, Marilá Dardot, Paulo Meira, Regina de Paula e Roberto Winter estão entre os participantes.

“Do Valongo à Favela: imaginário e periferia”

Em exibição até 15 de fevereiro de 2015. Clique sobre o título da mostra para mais informações.

Por entre processos de marginalização e, por vezes, degradação, a região da Zona portuária do Rio de Janeiro foi se transformando em lugar de pobreza, violência e morte – limite e espelho da cidade que prosperava na faixa estreita entre o Morro do Castelo e o de São Bento e cuja população abastada começava a se espalhar para as novas freguesias ao oeste e ao sul. A mostra examina como foi sendo formado o imaginário cultural dessa periferia, por meio de sua presença na arte. A mostra cria um percurso desde as imagens antigas do lugar e das atividades ali decorridas, até a elaboração da favela como questão de interesse da arte para muito além dos limites geográficos que lhe deram origem. André Komatsu, Arjan Martins, Armando Queiroz, Ayrson Heráclito, Bárbara Wagner, Caetano Dias, Caio Reisewitz, Grupo EMPREZA, Henrique Oliveira, Laercio Redondo, Marcelo Cidade, Matheus Rocha Pitta, Paulo Nazareth, Virginia de Medeiros e Waléria Américo, entre outros.


Museu de Arte do Rio
Visitação: terça a domingo, das 10h às 17h
Praça Mauá 5 – Centro
Rio de Janeiro / Rio de Janeiro / Brasil
55-21-3031-2741
info@museudeartedorio.org.br


O PIPA respeita a liberdade de expressão e adverte que algumas imagens de trabalhos publicadas nesse site podem ser consideradas inadequadas para menores de 18 anos. Copyright © Instituto PIPA