Esculturas e vídeos por Monica Piloni

“Ímpar, Ambas”, de Monica Piloni

A primeira individual da Monica Piloni no Rio de Janeiro, “Ímpar, Ambas”, apresentará duas esculturas em grande formato e dois vídeos. A exposição se dividide entre a Galeria e o Anexo da Galeria Laura Marsiaj.

Galeria

Humano. Infra-humano. Quase Eu.

“O alarme foi disparado. Estamos em chamas. Ímpar é o duplo em metamorfose, triplo: seios, cona, matéria. Mais que isso: e a formação como um feto alterado. Hiper-realista. Uma mulher que beira o sobrenatural. Imperfeita/perfeita. Em fibra de vidro, contemporânea. Em bronze, clássica. Ambas. Tão perfeita que jamais poderá ser real: “Lembra, corpo, não só o quanto foste amado.” ¹ Autorretrato porque será preciso respirar. “Eu seria o modelo vivo mais próximo, mais prático. Numa cidade onde não fui formada. Estou diante de mim mesma, especialmente com esse temor sobrenatural: seu status animado, inanimado, duvidoso”. Monica Piloni então seria/será a matéria desse seu próprio outro. Como sempre foi. Freud? Ego? Não: quase eu. Antes surgiram as bonecas como objeto único. Onde está o meu rosto? Três vezes uma mesma face que não existe. Anatomia distorcida, ainda em busca de algo além da moral. Boneca sombra. Boneca fantasma. Todas ilegais ². Seria porque há um drama acima da religião? Ou seria porque perdemos o rosto e mesmo assim precisamos respirar?

Antes ainda vieram as formas distorcidas, côncavas, convexas. Estamos em chamas. IdEgoSuperego. O corpo circense mais além do que o gesto yoga. Corpos olímpicos que se entrelaçam. Tornam-se únicos, expostos entre sexo e afeto, e sexo mais uma vez. E afeto sem nome mais adiante: Lembra, corpo? A anatomia outra. Nada acadêmica. O desconforto nas mãos da artista. A pose simétrica. Obsessão. O silêncio interrompido. Opostos que se espelham. Três formas iguais que se encaixam. “Eu sou o modelo vivo mais próximo”. A coerência para chegar à quarta dimensão. Mais uma vez, antes, a bailarina. O corpo-repertório fragmentado, como um crime ou uma ressurreição. A artista desfaz para em seguida recompor. Um quase eu, em fragmentos. Ou sobre a cama, como se “apenas” fosse uma fotografia. Tão perfeita que jamais poderia ser real. Repartida para quem deseja vê-la através da vitrine. Aí, sim, inscreve-se o diálogo: quem vê o quê? Não seria esse o corpo de todos nos? Não seriam essas próteses oculares os olhos de cada um de nós?

Mas não. A artista segue ainda mais adiante. Em tamanho natural, modelo vivo, ergue as mãos. Sua Ímpar, Ambas é uma quase-síntese do que vem desenvolvendo nos últimos nove anos. Quase porque ainda irá se modificar em seu esquema de pensamento e matéria, em quarta dimensão. Será reinterpretada mais uma vez e quem sabe o que será feito com os seis, os braços que já não existem, a face que continua imperceptível: tudo equilibrado sobre três muletas. Nada mais simbólico. Estamos em chamas. Um ponto central visto de cima onde a cabeça encontra o ânus, em linha reta, fundamental. O corpo vertical amparado antes do chão. Ímpar. Ininterrupto como fluxo entre humanidade e espelhamento. Como num filme. Como numa penetração. Uma mulher dividida, mas com extremidades próprias. Sem olhos, sem lábios, mas que faz parte de um estudo sobre os mistérios da criação. Monica Piloni constrói em Ímpar, Ambas uma figura humana tripla, par, ímpar, política. Solitariamente inversa. Que levita sobre muletas, sem rosto, para sussurrar que estamos em chamas, mas que precisamos respirar.”

Diógenes Moura
Escritor e Curador de Fotografia

Anexo

Na sala anexa serão exibidos dois vídeos, um deles com o título de 16B e outro também com o título de Ímpar que criará a atmosfera para esta série em que a artista está absorvida desde 2008.

No vídeo Ímpar, o recurso de espelhamento tão ordinário e demasiadamente explorado foi conveniente para representar no plano o que já era construído tridimensionalmente. Os momentos obscuros são iluminados por supostos ritos e intercalados com penetrações em planos fechados. Em 16B, o número do apartamento onde foi seu antigo atelier, a própria artista interage com os seus objetos inanimados.

(fonte: site da galeria)

“Ímpar, Ambas”
Abertura no dia 30 de julho de 2013, das 19h às 22h.
31 de julho até 29 de agosto

Horários
ter – sex :: 10h às 19h
sáb :: 11h às 16h

Galeria Laura Marsiaj
Rua Teixeira de Melo, 31c
Ipanema – Rio de Janeiro – Brasil
tel + 55 21 2513 2074



O PIPA respeita a liberdade de expressão e adverte que algumas imagens de trabalhos publicadas nesse site podem ser consideradas inadequadas para menores de 18 anos. Copyright © Instituto PIPA