Tagged Rafael França

0

Panorama da videoarte brasileira é exibido na mostra “Filmes e Vídeos de Artistas”

(Ribeirão Preto, SP) Um verdadeiro panorama da videoarte brasileira estreia neste sábado, 18 de fevereiro, no Instituto Figueiredo Ferraz. Trata-se da mostra “Filmes e Vídeos de Artistas – Coleção Itaú Cultural” que, sob a curadoria de Roberto Moreira S. Cruz, traz ao público tanto a oportunidade de assistir alguns dos pioneiros da técnica no Brasil, quanto de conferir algumas das obras contemporânea mais interessantes do universo, de autores como os finalistas ao Prêmio PIPA Thiago Rocha Pitta, Letícia Ramos e Berna Reale.

0

Últimos dias | “Sempre um ponto de identidade, sempre distinção”

(São Paulo, SP) Hoje e amanhã são os últimos dias para ver a coletiva “Sempre um ponto de identidade, sempre distinção”. Curada por Hércules Goulart Martins, a exposição em cartaz na Galeria Jaqueline Martins se baseia na ideia de mutualismo – que, em sua raiz latina, significava tanto reciprocidade (mutuus) quanto mudança (mutare) – para entrelaçar as propostas de 11 artistas nacionais e internacionais.

0

Reciprocidade e mudança na coletiva “Sempre um ponto de identidade, sempre distinção”

(São Paulo, SP) Mutualismo. Do latim mutuus, recíproco – que, por sua vez, vem do verbo mutare, mudar. É a partir do jogo entre os dois vocábulos latinos, origem da ideia de mutualismo, que o curador Hércules Goulart Martins define a chave de “Sempre um ponto de identidade, sempre distinção”. Estreando neste sábado, 12 de novembro, na Galeria Jaqueline Martins, a exposição apresenta obras de 11 artistas nacionais e internacionais, entre eles os já indicados ao Prêmio PIPA Adriano Amaral, Ana Mazzei, Daniel de Paula, Débora Bolsoni, Ícaro Lira, Lais Myrrha e Ricardo Basbaum.

0

Barbara Wagner, Berna Reale, João Castilho, Paulo Nazareth e Tony Camargo participam da coletiva “Humanas Interlocuções”

(Porto Alegre, RS) Abrangendo cerca de 50 anos de produção artística (de 1960 a 2016), a seleção de trabalhos tem como núcleo articulador o potente emprego do corpo pelos artistas: seja como suporte, seja como tema de investigação criativa; ou, ainda, como vetor de problematização da subjetividade em relação a diferentes esferas – simbólicas, políticas, sociais e culturais.

Hoje | Programação de performances e conversa em torno da “Encruzilhada”

(Rio de Janeiro, RJ) As obras apresentadas estão organizadas em torno de seis núcleos que tratam do espaço físico da encruzilhada – onde acontecem as manifestações políticas, o carnaval, o flerte, o movimento de trânsito e a macumba, e também das situações em que se faz imperativa uma decisão. Hoje, uma programação especial de performances acontece durante todo dia. Uma conversa com os participantes da Agência Transitiva, espaço-veículo para ações e estudos não-convencionais em arte, política e história das ideias, também acontece.

Vivian Caccuri promove Caminhada Silenciosa como parte da mostra “Encruzilhada”

(Rio de Janeiro, RJ) Em “Encruzilhada”, as obras estão organizadas em torno de seis núcleos que tratam do espaço físico da encruzilhada – onde acontecem as manifestações políticas, o carnaval, o flerte, o movimento de trânsito e a macumba, e também das situações em que se faz imperativa uma decisão. Durante o período da exposição, haverá uma programação semanal de performances, encontros e conversas, além de alterações na montagem, resultando em novas vivências do público. Amanhã, uma programação nova de performances será realizada durante a exposição.

Hoje | Programação especial de performances na coletiva “Encruzilhada”

(Rio de Janeiro, RJ) As obras apresentadas estão organizadas em torno de seis núcleos que tratam do espaço físico da encruzilhada – onde acontecem as manifestações políticas, o carnaval, o flerte, o movimento de trânsito e a macumba, e também das situações em que se faz imperativa uma decisão. Durante o período da exposição, haverá uma programação semanal de performances, encontros e conversas. Hoje, uma programação especial de performances acontecerá durante a exposição. Saiba mais.

Conversa com curador e performances acontecem durante a semana em “Encruzilhada”

(Rio de Janeiro, RJ) As obras apresentadas estão organizadas em torno de seis núcleos que tratam do espaço físico da encruzilhada – onde acontecem as manifestações políticas, o carnaval, o flerte, o movimento de trânsito e a macumba, e também das situações em que se faz imperativa uma decisão. Durante o período da exposição, haverá uma programação semanal de performances, encontros e conversas. Amanhã, uma programação especial de performances acontecerá durante a exposição e na próxima quarta-feira, 13 de maio, haverá uma conversa entre o curador Bernardo Mosqueira e a diretora da Escola, Lisette Lagnado.

Coletiva “Encruzilhada” reúne 115 trabalhos de 74 artistas

(Rio de Janeiro, RJ) Afonso Tostes, Alexandre Mazza, Ana Mazzei, André Komatsu, Antonio Dias, Armando Queiroz, Berna Reale, Beto Shwafaty, Cao Guimarães e Rivane Neuenschwander, Carla Zaccagnini, Carlos Vergara, Chico Fernandes, Cinthia Marcelle e Tiago Mata Machado, Daniel Steegmann Mangrané, Ivan Grilo, Joana Traub Csekö, Laura Lima, Lenora de Barros, Luiz Braga, Marcos Chaves, Maria Laet, Mauro Restiffe, Milton Marques, Nazareno Rodrigues, OPAVIVARÁ!, Paulo Nazareth, Rafael RG, Raquel Versieux, Regina Parra, Renata Lucas, Rodrigo Braga, Vivian Caccuri e Waltércio Caldas são alguns dos 74 nomes presentes na mostra que é parte do programa Curador Visitante da Escola de Artes Visuais do Parque Lage.

Última semana | “Reinventando o Mundo”

A exposição reúne artistas plásticos que trabalham com tecnologias distintas, desde mecânica à eletrônica/digital. A ideia da mostra é apresentar a diversidade de artistas que vêm se apropriando das tecnologias atuais ao longo do tempo como ferramenta e matéria para suas propostas estéticas.
Segundo a curadoria, mais do que um ambiente meramente expositivo, pretendeu-se construir uma mostra que encoraje a reflexão sobre a forma como a tecnologia configura um instrumento transformador da relação entre as pessoas, mas também e, sobretudo, da relação do homem com o mundo; nomeadamente na sua expressão artística e criativa.

O PIPA respeita a liberdade de expressão e adverte que algumas imagens de trabalhos publicadas nesse site podem ser consideradas inadequadas para menores de 18 anos. Copyright © Instituto PIPA