Tagged Palácio das Artes

0

Finalista do Prêmio PIPA 2017, Éder Oliveira exibe série de pinturas

(Belo Horizonte, BH) Éder Oliveira, um dos quatro finalistas do Prêmio PIPA deste ano, está em exposição no Palácio das Artes e exibe uma série de pinturas produzidas a partir de uma pesquisa de rostos desconhecidos da vasta população paraense. Em “Pintura – ou a Fotografia como Violência”, Oliveira ressignifica, a partir de variadas técnicas de pintura, fotografias de pessoas anunciadas como criminosos nos jornais.

Últimos dias | “Intervenções Pendentes em Estruturas Mistas”, individual de André Griffo

(Belo Horizonte, MG) Durante dois anos, André Griffo ocupou uma oficina/depósito de equipamentos agrícolas dentro de uma propriedade rural e deu início à definição dos métodos e interesses que desde então são aplicado a seu trabalho: a rotina de trabalhos manuais, a maneira experimental de adquirir conhecimento, os reparos e construções funcionais e o aproveitamento máximo dos materiais disponíveis. Na busca de novos espaços onde a arquitetura e os objetos fossem ligados estruturalmente por uma funcionalidade, uma das vertentes da pesquisa é estudar esses espaços e os objetos a eles vinculados e pensar maneiras de deslocá-los para outros sistemas.

André Griffo apresenta individual feita a partir de dois anos de pesquisa

(Belo Horizonte, MG) Durante dois anos, André Griffo ocupou uma oficina/depósito de equipamentos agrícolas dentro de uma propriedade rural e deu início à definição dos métodos e interesses que desde então são aplicado a seu trabalho: a rotina de trabalhos manuais, a maneira experimental de adquirir conhecimento, os reparos e construções funcionais e o aproveitamento máximo dos materiais disponíveis. Na busca de novos espaços onde a arquitetura e os objetos fossem ligados estruturalmente por uma funcionalidade, uma das vertentes da pesquisa é estudar esses espaços e os objetos a eles vinculados e pensar maneiras de deslocá-los para outros sistemas.

“Intervenções Pendentes em Estruturas Mistas”, individual de André Griffo, segue em cartaz

(Belo Horizonte, MG) Durante dois anos, André Griffo ocupou uma oficina/depósito de equipamentos agrícolas dentro de uma propriedade rural e deu início à definição dos métodos e interesses que desde então são aplicado a seu trabalho: a rotina de trabalhos manuais, a maneira experimental de adquirir conhecimento, os reparos e construções funcionais e o aproveitamento máximo dos materiais disponíveis. Na busca de novos espaços onde a arquitetura e os objetos fossem ligados estruturalmente por uma funcionalidade, uma das vertentes da pesquisa é estudar esses espaços e os objetos a eles vinculados e pensar maneiras de deslocá-los para outros sistemas, seja fisicamente, em esculturas e instalações, ou como imagem, representados em desenhos e pinturas.

André Griffo apresenta a nova individual “Intervenções Pendentes em Estruturas Mistas”

(Belo Horizonte, MG) Durante dois anos o artista ocupou uma oficina/depósito de equipamentos agrícolas dentro de uma propriedade rural e deu início à definição dos métodos e interesses que desde então são aplicado a seu trabalho: a rotina de trabalhos manuais, a maneira experimental de adquirir conhecimento, os reparos e construções funcionais e o aproveitamento máximo dos materiais disponíveis. Contemplada pelo Edital de Ocupação 2015, “Intervenções Pendentes em Estruturas Mistas” fica em exposição com o objetivo de ampliar a relação função/sentido dos objetos ao expô-los a uma nova leitura.

Últimos dias | Exposição “Do Objeto para o Mundo – Coleção Inhotim”

(Belo Horizonte, MG) Segundo o diretor de arte e programas culturais do Inhotim e curador da exposição, Rodrigo Moura, essa é uma oportunidade de conhecer melhor a coleção do Instituto, uma vez que a maioria dos trabalhos nunca foi exibida no parque. “São obras que deixam perceber possíveis caminhos na história da arte dos últimos 50 anos, que permitiram ao Inhotim ser o que é”, explica. As mais de 50 obras apresentadas datam dos anos de 1950 até os dias de hoje e propõem um recorte do acervo que examina a formação do campo da arte contemporânea a partir da coleção e do programa da instituição, inaugurada ao público em 2006.

“Do Objeto para o Mundo – Coleção Inhotim” conta com mais de 50 obras datadas desde 1950

(Belo Horizonte, MG) As mais de 50 obras apresentadas datam dos anos de 1950 até os dias de hoje e propõem um recorte do acervo que examina a formação do campo da arte contemporânea a partir da coleção e do programa da instituição, inaugurada ao público em 2006. A exposição toma como ponto de partida um momento histórico em que a arte deixa de se resumir a objetos para existir de maneira mais aberta para o mundo. Nesse contexto, elementos do cotidiano, do espaço real, da política e do corpo são incorporados e o espectador se transforma em participante.

Prêmio Marcantonio Vilaça | André Komatsu, Jonathas de Andrade, Marcone Moreira e Paulo Nenflídio são premiados

Criado em 2004, pelo Sistema CNI-SESI, o Prêmio Marcantonio Vilaça busca apoiar artistas com trajetórias ainda não consolidadas, promover a difusão da arte e democratizar o acesso à produção contemporânea. A cada dois anos, cinco artistas são premiados e recebem bolsa de R$ 30 mil para desenvolvimento de trabalhos de pesquisa. Além dos quatro indicados ao PIPA, a artista Laura Belém também foi premiada.

O PIPA respeita a liberdade de expressão e adverte que algumas imagens de trabalhos publicadas nesse site podem ser consideradas inadequadas para menores de 18 anos. Copyright © Instituto PIPA