Tagged Museu Histórico Nacional

0

“Quando o mar virou Rio” narra a história da relação entre a cidade maravilhosa e o mar

(Rio de Janeiro, RJ) É um paradoxo: apesar de ter “rio” no nome, a cidade do Rio de Janeiro é muito mais associada ao mar e à praia do que a qualquer outra formação natural. A história dessa relação é narrada em “Quando o mar virou Rio”, que começa hoje no Museu Histórico Nacional. Curada por Isabel Seixas, Diogo Rezende e Letícia Stallone, a mostra reúne obras de 25 artistas, seis deles já indicados ao Prêmio PIPA.

Últimos dias | “Inventário da Paixão” e “Cor, Luz e Movimento”

(Rio de Janeiro, RJ) Instituído em 2004, o Prêmio homenageia o colecionador Marcantonio Vilaça, falecido em 2000 aos 37 anos, que se empenhou com afinco a lançar e divulgar novos artistas no mercado brasileiro e internacional de arte, tendo doado diversas obras de sua coleção para museus em todo o mundo. Eduardo Coimbra e Wagner Malta Tavares integram a mostra “Cor, luz e movimento”, em homenagem ao pioneiro da arte cinética brasileira Abraham Palatnik. A mostra apresenta uma sala especial com oito trabalhos de Palatnik e 38 obras de 14 artistas que se relacionam com sua poética.

Mostras “Inventário da Paixão” e “Cor, luz e movimento” reúnem dezenas de artistas consagrados

(Rio de Janeiro, RJ) Nesta que é a quinta edição do prêmio, pela primeira vez, trinta trabalhos serão selecionados para uma mostra no Instituto Inhotim, detentor de um dos maiores acervos de arte contemporânea do mundo. As obras serão expostas no parque em abril de 2015 e de lá sairão os cinco vencedores do Prêmio, que receberão uma bolsa de pesquisa de 40 mil reais.

Eduardo Coimbra e Wagner Malta Tavares participam de mostra do Prêmio CNI SESI SENAI Marcantonio Vilaça

(Rio de Janeiro, RJ) Duas coletivas dividem o espaço expositivo do Museu Histórico Nacional em comemoração dos dez anos do Prêmio CNI SESI SENAI Marcantonio Vilaça: “Inventário da Paixão” traz trabalhos de artistas renomados famosos como Beatriz Milhazes, Ernesto Neto e Vik Muniz. Ao todo são 66 obras de 36 artistas surgidos nos anos 1980, com curadoria de Marcus de Lontra Costa, coordenador geral do Prêmio. Já a mostra “Cor, luz e movimento” presta uma homenagem ao artista Abraham Palatnik, pioneiro da arte cinética brasileira.

Duas mostras marcam as comemorações dos dez anos do Prêmio CNI SESI SENAI Marcantonio Vilaça

(Rio de Janeiro, RJ) A coletiva “Inventário da Paixão” traz 66 obras de 36 artistas surgidos nos anos 1980 como Adriana Varejão, Angelo Venosa, Beatriz Milhazes, Barrão, Cildo Meireles, Daniel Senise, Ernesto Neto, Helio Oiticica, Iran do Espírito Santo, José Damasceno, José Resende, Leda Catunda, José Leonilson, Luiz Zerbini, Lygia Pape, Nuno Ramos, Rivane Neuschwander, Rosangela Rennó e Vik Muniz, entre outros. Já “Cor, luz e movimento” presta uma homenagem a Abraham Palatnik e traz obras do artista homenageado e de mais 14 artistas que se relacionam com sua poética, como Eduardo Coimbra e Wagner Malta Tavares.

O PIPA respeita a liberdade de expressão e adverte que algumas imagens de trabalhos publicadas nesse site podem ser consideradas inadequadas para menores de 18 anos. Copyright © Instituto PIPA