Tagged Felipe Barbosa

“Há escolas que são gaiolas e há escolas que são asas” | Mostra sobre a relação entre arte e educação

(Rio de Janeiro, RJ) Por que é importante para a arte estar perto da educação, e vice-versa? Quais os usos sociais dessa relação? Ao acreditar na “necessidade da arte”, ou da educação, que outras necessidades podemos entrever na relação entre ambos? A exposição é uma análise da relação entre arte e educação através de pinturas, fotografias, esculturas, instalações, objetos e documentos. Participam artistas como Ana Miguel, Cinthia Marcelle, Felipe Barbosa, Felipe Cohen, Grupo Empreza, Gustavo Speridião, Jonathas de Andrade, Lenora de Barros, Luciana Paiva, Marilá Dardot, Paulo Meira, Regina de Paula e Roberto Winter.

A relação entre arte e educação é tema de mostra coletiva no Rio

(Rio de Janeiro, RJ) “Há escolas que são gaiolas e há escolas que são asas” tem mais de 180 obras de artistas como Ana Miguel, Cinthia Marcelle, Felipe Barbosa, Felipe Cohen, Grupo Empreza, Gustavo Speridião, Jonathas de Andrade, Lenora de Barros, Luciana Paiva, Marilá Dardot, Paulo Meira, Regina de Paula e Roberto Winter. Pinturas, fotografias, esculturas, instalações, objetos e documentos foram dividios em quatro núcleos – Dispositivos, Linguagem, Processos e Teorias.






“Há escolas que são gaiolas e há escolas que são asas” | Mostra sobre a relação entre arte e educação

(Rio de Janeiro, RJ) Ana Miguel, Cinthia Marcelle, Felipe Barbosa, Felipe Cohen, Grupo Empreza, Gustavo Speridião, Jonathas de Andrade, Lenora de Barros, Luciana Paiva, Marilá Dardot, Paulo Meira, Regina de Paula e Roberto Winter são apenas alguns dos artistas que participam dessa mostra, de título inspirado por uma citação de Rubem Alves, cujo foco é analisar a relação entre arte e educação através de pinturas, fotografias, esculturas, instalações, objetos e documentos.






Mostra coletiva analisa a relação entre arte e educação com mais de 180 peças

(Rio de Janeiro, RJ) “Há escolas que são gaiolas e há escolas que são asas” (título inspirado por uma citação de Rubem Alves) faz parte do projeto Arte e Sociedade no Brasil, iniciado com a exposição “O abrigo e o terreno” (2013) e que dedica-se a pensar a atuação da arte brasileira no campo da alteridade e das relações sociais. Participam Ana Miguel, Cinthia Marcelle, Felipe Barbosa, Felipe Cohen, Grupo Empreza, Gustavo Speridião, Jonathas de Andrade, Lenora de Barros, Luciana Paiva, Marilá Dardot, Paulo Meira, Regina de Paula, Roberto Winter, dentre muitos outros.






“Há escolas que são gaiolas e há escolas que são asas”

(Rio de Janeiro, RJ) Ana Miguel, Cinthia Marcelle, Felipe Barbosa, Felipe Cohen, Grupo Empreza, Gustavo Speridião, Jonathas de Andrade, Lenora de Barros, Luciana Paiva, Marilá Dardot, Paulo Meira, Regina de Paula e Roberto Winter são alguns dos nomes que participam dessa mostra, uma análise da relação entre arte e educação através de pinturas, documentos, esculturas, instalações e objetos. Dividida em núcleos – Dispositivos, Linguagem, Processos e Teorias – a exposição faz parte do projeto Arte e Sociedade no Brasil, que dedica-se a pensar a atuação da arte brasileira no campo da alteridade e das relações sociais.






Abertura | “Há escolas que são gaiolas e há escolas que são asas”

(Rio de Janeiro, RJ) Ana Miguel, Cinthia Marcelle, Felipe Barbosa, Felipe Cohen, Grupo Empreza, Gustavo Speridião, Jonathas de Andrade, Lenora de Barros, Luciana Paiva, Marilá Dardot, Paulo Meira, Regina de Paula e Roberto Winter são alguns dos nomes que participam dessa mostra, uma análise da relação entre arte e educação através de pinturas, documentos, esculturas, instalações e objetos. Dividida em núcleos – Dispositivos, Linguagem, Processos e Teorias – a exposição faz parte do projeto Arte e Sociedade no Brasil, que dedica-se a pensar a atuação da arte brasileira no campo da alteridade e das relações sociais.






Últimos dias | “Quadrado mágico”, mostra individual de Felipe Barbosa

(Rio de Janeiro, RJ) Nesta mostra Barbosa expõe 16 obras que subvertem o sentido dos objetos ao ressignificá-los entre formas e signos geométricos. “Assim como para os sufis e pitagóricos, acredito que os números e suas simetrias, entre as quais os quadrados mágicos, representam os estágios da criação, logo, procuro brincar com o abstrato e criar um novo mundo de possibilidades com a minha arte”, define o artista.






Individual de Felipe Barbosa apresenta 16 obras inéditas e recentes

(Rio de Janeiro, RJ) O quadrado mágico, que dá nome à exposição, também já foi referência no futebol brasileiro, como era chamado o ataque da seleção brasileira na Copa de 2006. Com Kaká e Ronaldinho Gaúcho no meio, e Ronaldo e Adriano no ataque, pois se acreditava no poder de fogo dos quatro craques, que na época, estavam entre os atletas mais valiosos do mundo. Até mesmo o futebol vira arte nas mãos de Felipe Barbosa.






“Quadrado mágico” | Mostra individual de Felipe Barbosa

(Rio de Janeiro, RJ) Na mostra, Barbosa cria um diálogo entre jogos matemáticos e a arte, subvertendo o sentido dos objetos ao ressignificá-los entre formas e signos geométricos, que inspiraram o artista nas 16 obras apresentadas.
“Assim como para os sufis e pitagóricos, acredito que os números e suas simetrias, entre as quais os quadrados mágicos, representam os estágios da criação, logo, procuro brincar com o abstrato e criar um novo mundo de possibilidades com a minha arte”, define o artista.






Últimos dias | “Play”

(Rio de Janeiro, RJ) O Museu Bispo do Rosário Arte Contemporânea, localizado nos limites da antiga Colônia Juliano Moreira, apresenta a exposição coletiva “Play”, que aborda o universo infantil. “Play” relaciona a infância, o jogo e a brincadeira com a arte, de forma a perceber como essas instâncias são, não apenas intrínsecas à atividade de criação, como os próprios artistas mantêm essa capacidade de maravilhar a si e aos outros com insights, arranjos, descobertas. Com curadoria de Fernanda Pequeno e Marta Mestre, a mostra é composta por trabalhos dos artistas Arthur Bispo do Rosário, Anton Steenbock, Arlindo, Bete Esteves, Cildo Meireles, Daniel Murgel, Daniela Mattos, Felipe Barbosa, Fernando Diniz, Franklin Cassaro, Gilmar Ferreira, João Modé, José, Julia Debasse, Laercio Redondo, Lobão, Luiz Hermano, Marcos Cardoso, Maria Mattos, Maria Nepomuceno, Nelson Leiner, Patricia, Renato Bezerra de Melo, Roger Mello, Rosana Ricalde e Vitor.






O PIPA respeita a liberdade de expressão, e adverte que algumas imagens de trabalhos publicadas nesse site odem ser consideradas inadequadas para menores de 18 anos.
Copyright © Instituto PIPA