Tagged Daniela Mattos

“Da Escrita, Delas, Elas” reúne artistas cujos trabalhos utilizam a escrita

(Rio de Janeiro, RJ) Projeto propõe o acompanhamento e mapeamento de “escritas” (vozes, falas) que possibilitem traçar perfis de profissionais brasileiras de arte e de cultura. Identificando poéticas, criando um lugar de troca e de visibilidade de processos criativos, de agenciamentos culturais que priorizem a produção escrita relacionada às artes visuais. Ana Miguel, Daniela Mattos, Gabriela Noujaim, Joana Cesar, Raïssa de Goes e Rosana Ricalde são algumas das artistas participantes, cuja utilização da escrita é um denominador comum que as agrega; seja como meio de expressão principal, seja como matéria, objeto e/ou suporte para trabalhos em artes visuais.

Em cartaz | “Da Escrita, Delas, Elas”, com Ana Miguel, Daniela Mattos, Gabriela Noujaim, Joana Cesar, Raïssa de Goes e Rosana Ricalde

(Rio de Janeiro, RJ) Projeto propõe o acompanhamento e mapeamento de “escritas” (vozes, falas) que possibilitem traçar perfis de profissionais brasileiras de arte e de cultura. Identificando poéticas, criando um lugar de troca e de visibilidade de processos criativos, de agenciamentos culturais que priorizem a produção escrita relacionada às artes visuais. Ana Miguel, Daniela Mattos, Gabriela Noujaim, Joana Cesar, Raïssa de Goes e Rosana Ricalde são algumas das artistas participantes, cuja utilização da escrita é um denominador comum que as agrega; seja como meio de expressão principal, seja como matéria, objeto e/ou suporte para trabalhos em artes visuais.

19 artistas mulheres integram a mostra “Da Escrita, Delas, Elas”

(Rio de Janeiro, RJ) Projeto propõe o acompanhamento e mapeamento de “escritas” (vozes, falas) que possibilitem traçar perfis de profissionais brasileiras de arte e de cultura. Identificando poéticas, criando um lugar de troca e de visibilidade de processos criativos, de agenciamentos culturais que priorizem a produção escrita relacionada às artes visuais. Ana Miguel, Daniela Mattos, Gabriela Noujaim, Joana Cesar, Raïssa de Goes e Rosana Ricalde são algumas das artistas participantes, cuja utilização da escrita é um denominador comum que as agrega; seja como meio de expressão principal, seja como matéria, objeto e/ou suporte para trabalhos em artes visuais.

Últimos dias | “Play”

(Rio de Janeiro, RJ) O Museu Bispo do Rosário Arte Contemporânea, localizado nos limites da antiga Colônia Juliano Moreira, apresenta a exposição coletiva “Play”, que aborda o universo infantil. “Play” relaciona a infância, o jogo e a brincadeira com a arte, de forma a perceber como essas instâncias são, não apenas intrínsecas à atividade de criação, como os próprios artistas mantêm essa capacidade de maravilhar a si e aos outros com insights, arranjos, descobertas. Com curadoria de Fernanda Pequeno e Marta Mestre, a mostra é composta por trabalhos dos artistas Arthur Bispo do Rosário, Anton Steenbock, Arlindo, Bete Esteves, Cildo Meireles, Daniel Murgel, Daniela Mattos, Felipe Barbosa, Fernando Diniz, Franklin Cassaro, Gilmar Ferreira, João Modé, José, Julia Debasse, Laercio Redondo, Lobão, Luiz Hermano, Marcos Cardoso, Maria Mattos, Maria Nepomuceno, Nelson Leiner, Patricia, Renato Bezerra de Melo, Roger Mello, Rosana Ricalde e Vitor.

“Play”, exposição coletiva sobre o universo infantil

(Rio de Janeiro, RJ) A exposição parte da obra de Arthur Bispo do Rosário para relacioná-la com obras de artistas contemporâneos, de usuários de saúde mental do Instituto Municipal de Assistência à Saúde Juliano Moreira, do ilustrador de livro infantil Roger Mello e de cineastas de animação, pensando tanto na atualidade e ressonâncias da obra de Bispo do Rosário – não estritamente circunscrita nem ao universo psiquiátrico muito menos ao mundo das artes visuais, quanto na necessidade de se pensar a arte por esse viés da brincadeira, da infância e do jogo, sem infantilizá-la ou simplificá-la. A mostra é composta por trabalhos dos artistas Daniel Murgel, Daniela Mattos, Felipe Barbosa, Laercio Redondo, Luiz Hermano, Maria Nepomuceno, Pedro Motta, Rosana Ricalde e outros.

Artistas PIPA em mostra coletiva no Museu Bispo do Rosário

(Rio de Janeiro, RJ) O Museu Bispo do Rosário Arte Contemporânea, localizado nos limites da antiga Colônia Juliano Moreira, apresenta a exposição coletiva “Play”, que aborda o universo infantil. “Play” relaciona a infância, o jogo e a brincadeira com a arte, de forma a perceber como essas instâncias são, não apenas intrínsecas à atividade de criação, como os próprios artistas mantêm essa capacidade de maravilhar a si e aos outros com insights, arranjos, descobertas. Com curadoria de Fernanda Pequeno e Marta Mestre, a mostra é composta por trabalhos dos artistas Arthur Bispo do Rosário, Anton Steenbock, Arlindo, Bete Esteves, Cildo Meireles, Daniel Murgel, Daniela Mattos, Felipe Barbosa, Fernando Diniz, Franklin Cassaro, Gilmar Ferreira, João Modé, José, Julia Debasse, Laercio Redondo, Lobão, Luiz Hermano, Marcos Cardoso, Maria Mattos, Maria Nepomuceno, Nelson Leiner, Patricia, Renato Bezerra de Melo, Roger Mello, Rosana Ricalde e Vitor.

“Play” | Museu Bispo do Rosário Arte Contemporânea

(Rio de Janeiro, RJ) A exposição parte da obra de Arthur Bispo do Rosário para relacioná-la com obras de artistas contemporâneos, de usuários de saúde mental do Instituto Municipal de Assistência à Saúde Juliano Moreira, do ilustrador de livro infantil Roger Mello e de cineastas de animação, pensando tanto na atualidade e ressonâncias da obra de Bispo do Rosário – não estritamente circunscrita nem ao universo psiquiátrico muito menos ao mundo das artes visuais, quanto na necessidade de se pensar a arte por esse viés da brincadeira, da infância e do jogo, sem infantilizá-la ou simplificá-la. A mostra é composta por trabalhos dos artistas Daniel Murgel, Daniela Mattos, Felipe Barbosa, Laercio Redondo, Luiz Hermano, Maria Nepomuceno, Pedro Motta, Rosana Ricalde entre outros.

Exposição coletiva aborda o universo infantil | “Play”

(Rio de Janeiro, RJ) O Museu Bispo do Rosário Arte Contemporânea, localizado nos limites da antiga Colônia Juliano Moreira, apresenta a exposição coletiva “Play”, que aborda o universo infantil. “Play” relaciona a infância, o jogo e a brincadeira com a arte, de forma a perceber como essas instâncias são, intrínsecas à atividade de criação. Com curadoria de Fernanda Pequeno e Marta Mestre.

O PIPA respeita a liberdade de expressão e adverte que algumas imagens de trabalhos publicadas nesse site podem ser consideradas inadequadas para menores de 18 anos. Copyright © Instituto PIPA