Saiba mais sobre os finalistas do Prêmio PIPA 2019!

 

Clique nos nomes dos artistas para ver suas páginas completas e assistir vídeo-entrevistas exclusivas

BERNA REALE 

Berna Reale trabalha com instalações e performances. Estudou arte na Universidade Federal do Pará e já participou de diversas exposições individuais e coletivas no Brasil e no exterior, bem como nas bienais: Bienal de Cerveira, Portugal (2005); Bienal de Fotografia de Liège, Bélgica (2006); Foto Bienal Masp, São Paulo (2013); Artists Engaged? Maybe, Gulbenkian, Portugal (2014);  34o Panorama da Arte Brasileira, São Paulo (2015); Bienal de Veneza, Itália (2015); Please Come Back, MAXXI, Itália (2017) e Third Beijing Photo Biennial CAFA art Museum, China (2018).

Em 2018 E 2019, participou das exposições individuais: While You Laugh/Enquanto você ri”, Galeria Nara Roesler New York, Nova York (EUA), “Grito mudo”, Sem Título Arte, Fortaleza (Ceará) e “GULA”, Galeria Nara Roesler São Paulo, São Paulo (São Paulo). Em 2010, Reale tornou-se perita criminal do Centro de Perícias Científicas do Estado do Pará e, desde então, vive de perto as mais diversas questões de delito e conflitos sociais. A artista trabalha com instalações e performances e já participou de diversas exposições individuais e coletivas no Brasil e no exterior, bem como em bienais como a Bienal de Veneza. Berna já foi finalista do Prêmio PIPA em 2013 e vencedora do PIPA Online 2012. 

Conheça algumas obras da artista:

CABELO

Cabelo nasceu em Cachoeiro de Itapemirim, ES, e mudou-se para o Rio de Janeiro ainda menino. Através da prática do skate tem contato com o punk rock e seu lema “faça você mesmo”, atitude que marca até hoje sua expressão artística. Abandonou a faculdade de engenharia para criar minhocas no campo. O poder alquímico desses anelídeos de transformar excremento em húmus muito influencia seu pensamento, ciente de estar imerso numa sociedade hiperprodutora de dejetos materiais e imateriais.

Participou da X Documenta de Kassel, da 26ª e 33ª Bienal de São Paulo, 7ª Bienal do Mercosul, entre outras. Entre 2012 e 2018 participou das exposições:  Sounds Like Light, Galeria Marilia Razuk, São Paulo; Solo Project, Pinta NY, Nova York;  Humúsica, Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro; Obrigado volte sempre, A Gentil Carioca, Rio de Janeiro e Luz com Trevas, Espaço Cultural BNDES, Rio de Janeiro.

Conheça algumas obras do artista:

GUERREIRO DO DIVINO AMOR

A pesquisa de Guerreiro do Divino Amor explora as Superficções, forças ocultas que interferem na construção do território e do imaginário coletivo. O artista constrói um universo de ficção científica a partir de fragmentos de realidade, tomando forma de filmes, publicações e instalações, tudo a partir de uma mescla de conhecimentos da arquitetura com as artes plásticas e utuliza diversos suportes audiovisuais.

Participou da Gran bienal tropical de Porto Rico, da Bienal da imagem em movimento de Genebra, onde foi finalista do prêmio “Generations”, e de exposições na Fundação Iberê Camargo (Florianópolis, SC), na Casa França-Brasil (RJ), no MAR (RJ), no Centro de Arte contemporânea de Vilnius (Lituânia) e do Arte Pará 2018, entre outras. Em 2018, realizou a individual “Superficções” no Paço das Artes no MIS-SP. Foi artista residente no FAAP Lutetia e no Pivô-Pesquisa em São Paulo, na CAL em Brasília e ganhou a Bolsa Pampulha 2019.

Conheça algumas obras do artista:

JAIME LAURIANO

Com trabalhos marcados por um exercício de síntese entre o conteúdo de suas pesquisas e estratégias de formalização, Jaime Lauriano nos convoca a examinar as estruturas de poder contidas na produção da História. Em peças audiovisuais, objetos e textos críticos, Lauriano evidencia como as violentas relações mantidas entre instituições de poder e controle do Estado – como polícias, presídios, embaixadas, fronteiras – e sujeitos moldam os processos de subjetivação da sociedade.

O artista graduou-se pelo Centro Universitário Belas Artes de São Paulo no ano de 2010. Entre suas exposições mais recentes, destacam-se as individuais: “Nessa terra, em se plantando, tudo dá”, Centro Cultural Banco do Brasil, Rio de Janeiro, Brasil, 2015; “Autorretrato em Branco sobre Preto”, Galeria Leme, São Paulo, Brasil, 2015 e “Impedimento”, Centro Cultural São Paulo, São Paulo, Brasil, 2014.

Conheça algumas obras do artista:

Assista ao vídeo em que Luiz Camillo Osorio, curador do Instituto PIPA, revela quem são os quatro finalistas da décima edição do Prêmio:

Conheça as alterações feitas em 2019 para dar mais equidade e importância para os 4 finalistas.



O PIPA respeita a liberdade de expressão e adverte que algumas imagens de trabalhos publicadas nesse site podem ser consideradas inadequadas para menores de 18 anos. Copyright © Instituto PIPA