“3º ato: o verso” explora locais pouco visíveis de SP

(São Paulo, SP)

A cidade de São Paulo, conhecida pelas grandes avenidas e altos prédios, inaugura nesse sábado a coletiva “3o ato: o verso”, em que explora locais pouco visíveis da capital para questionar a ocupação urbana. Com curadoria de Jéssica Varrichio e Guilherme Giufrida e performances de Alessandra Domingues, cinza, Eleonora Fabião, FOLHA D PAU-BRAZYL, Francis Wilker, Laura Belém, Lawrence Weiner, Ludovica Carbotta, P.Ardid, Pia Eikaas, Pontogor, Sandra Gamarra e Tetine, a mostra exibe sua terceira edição.

Dessa vez, o museu do louvre pau-brazyl tem como núcleo gravitacional um terreno baldio localizado na rua da Consolação, 268, no meio dos versos dos edifícios Louvre, Copan e São Luiz Plaza. Esse lote vazio funciona como um palco de um teatro de arena, um coliseu, em que a arquibancada são cerca de 2 mil janelas que se entreolham diariamente.

Nesse espaço, os artistas questionam a diferença entre a fachada e os fundos de prédios como o prédio Louvre, em que “a frente é adornada com pastilhas rosa e azul e as janelas feitas sob medida pelo Liceu de Arte e Ofícios, o fundo é um paredão rosa com janelas padrão do mercado da época da incorporação”. Diante dessa diferença, os artistas invertem a lógica e desenvolvem trabalhos no meio dos versos dos edifícios citados, fazendo “ecoar as vozes e figuras escondidas nos avessos dos edifícios que circulam o terreno a partir de experimentações no campo da teatralidade expandida e da performatividade dos espaços”.

A curadoria ganhou mais um espaço: o terreno da Universidade de São Paulo que viraria um palco, mas que permanece com obras interrompidas há anos e agora está à venda para a investimentos privados. Nesse local, os artistas prometem não deixar nada no lugar, “apenas o terreno estático e vazio a espera de um futuro prometido pelo mercado imobiliário”.

O encontro, de 13 a 22 de abril, ocorre na rosa dos ventos, marco zero da Praça da Sé às 16h30. A coletiva tem duração de 1h30. Confira a programação completa:

os 9 dias em cena:
“canção de ninar”, alessandra domingues
“janelas cruzadas”, cinza (joão turchi e gustavo colombini)
“TERRA (à) VISTA”, laura belém
“PRATA FUNDIDA SOBRE AÇO INOX GELADO RESOLUÇÃO PENDENTE”, lawrence
weiner
“buracos ou cura ou identidade ou seja lá o que isso for” e “fantasma (lygia lina lisa)”,
pia eikaas
“rojo indio”, sandra gamarra
“wild is the wind”, “todas as manhãs do mundo”, “sobre o vento / todas as mulheres
do mundo” e “todas as manhãs do mundo n2”, tetine (eliete mejorado e bruno verner)

“3o ato: o verso”, coletiva com Alessandra Domingues, cinza, Eleonora Fabião, FOLHA D PAU-BRAZYL, Francis Wilker, Laura Belém, Lawrence Weiner, Ludovica Carbotta, P.Ardid, Pia Eikaas, Pontogor, Sandra Gamarra e Tetine
Curadoria de Jéssica Varrichio e Guilherme Giufrida
Em cartaz de 13 a 22 de abril de 2019

 



O PIPA respeita a liberdade de expressão e adverte que algumas imagens de trabalhos publicadas nesse site podem ser consideradas inadequadas para menores de 18 anos. Copyright © Instituto PIPA