Pedro Motta demonstra os reflexos das atitudes humanas sobre o meio ambiente em exposição

(São Paulo, SP)

Pedro Motta apresenta cerca de 45 trabalhos de três grandes séries na sua mostra individual Estado da Natureza. Partindo de novos desdobramentos de sua pesquisa em torno da relação entre elementos naturais e comportamento humano, seus atritos e convergências, o artista busca demonstrar os reflexos das atitudes humanas sobre o meio ambiente. 

As três séries:

Naufrágio Calado, 2016/2018, em que barcos e trailers parecem ser dragados pela superfície de um terreno arruinado e destituído de vida. Essas imagens podem ser interpretadas como vivências de um estado de decadência, no qual natureza e sociedade são destituídas de seus valores. As fotografias são resultado de várias estratégias: a representação direta, a apresentação material e a construção ficcional.

Falência # 2, 2016, são imagens de diversos tipos de erosões resultantes das águas das chuvas. Suas formas são provenientes de um tempo oculto em que a natureza demonstra sua força e beleza pela destruição. Pequenas quantidades de terra são inseridas dentro da moldura, como se o espaço superficial da foto se esvaísse para um lugar no campo do infinito, uma espécie de ampulheta.

 Sumidouro, 2016, faz uma metáfora do espaço em que foi concebido, o Rio das Mortes, em São João del-Rei. Importante rio da região do Campo das Vertentes, é famoso pelas histórias de garimpo e batalhas territoriais. Nesse cenário, o fotógrafo inseriu elementos digitalmente, que sugerem pontos misteriosos de escoamento no curso do rio.

“Estado da Natureza”, individual de Pedro Motta
Em cartaz de 27 de fevereiro a 12 de maio 2019

Centro Cultural FIESP
Av. Paulista, 1.313 – Prédio da Fiesp
Horário de funcionamento: terça a sábado, das 10h às 22h, e domingo, das 10h às 20h.



O PIPA respeita a liberdade de expressão e adverte que algumas imagens de trabalhos publicadas nesse site podem ser consideradas inadequadas para menores de 18 anos. Copyright © Instituto PIPA