Lenora de Barros, "Procuro-me", 2001. Foto: Ricardo Ferreira/Divulgação

Lenora de Barros participa da coletiva “Arte-veículo”

(São Paulo, SP)

Segundo o alemão Joseph Beuys, a condição dupla e paradoxal da arte é “ser um veículo de comunicação e precisar se alojar em grandes circuitos de comunicação para chegar a mais gente”. Foi inspirada nessa premissa que Ana Maria Maia desenvolveu uma pesquisa em torno da relação e da presença dos artistas brasileiros nas mídias de massa, temática que também foi o foco do livro “Arte-veículo: intervenções na mídia de massa brasileira”, lançado em 2016.

Até dezembro, o tema é discutido também na exposição “Arte-veículo”, no Sesc Pompeia, com curadoria de Ana Maria. A coletiva reúne obras de 47 artistas, entre eles Lenora de Barros, indicada ao PIPA 2010 e membro do Comitê de Indicação do PIPA 2012 e 2016; Nuno Ramos; e Cildo Meirelles. 

Os artistas discutem como a introdução da televisão em 1950 influenciou a relação dos artistas com os veículos de informação até chegar nas mídias do século XXI. Um exemplo de análise artística que faz parte da exposição é a interferência de Antonio Manoel em nove capas de edições do Jornal O Dia, em que Manoel reimprimiu e redistribuiu as versões manipuladas. Lenora de Barros participa com a obra “Procuro-me” (2001), feita após o atentado às Torres Gêmeas, uma poesia visual com o rosto da artista que é aplicada em lambe-lambe. 

“Arte-veículo”, coletiva com 47 artistas, incluindo Lenora de Barros
Curadoria de Ana Maria Maia
Em cartaz de 28 de agosto a 02 de dezembro

Sesc Pompeia
Rua Clélia, 93, Pompeia, São Paulo, SP
Horário de funcionamento: ter – sab, 9h às 22h; dom e feriados, 9h às 20h
(11) 3871-7700


O PIPA respeita a liberdade de expressão e adverte que algumas imagens de trabalhos publicadas nesse site podem ser consideradas inadequadas para menores de 18 anos. Copyright © Instituto PIPA