Jorge Luiz Fonseca, "Autorretrato – cercado de amor por todos os lados", 1998

Jorge Fonseca apresenta “Labirinto do Amor”

(São Paulo, SP)

Costurar, pintar e bordar o amor. Enfeitar e dar graça a desilusões, tropeços, desavenças. É assim que o vencedor do PIPA Online 2017 Jorge Fonseca concebe a sua obra, que costumam dar um novo significado a objetos do imaginário coletivo e apontam brechas de afeto em coisas simples do cotidiano. Uma perspectiva que pode ser vivenciada desde o final de maio na Caixa Cultural São Paulo, em “Labirinto de Amor”.

A individual exibe mais de trinta obras do artista, pertencentes a acervos privados e públicos, e ilustra a inesperada trajetória de Fonseca que, antes de tornar-se artista, trabalhou como maquinista de trem e marceneiro. Para Fernanda Terra, curadora da exposição, a seleção revela um exímio observador das relações sentimentais:

– Por mais que sua obra aborde questões da cultura popular novelística, folclore e religiosidade, o amor se destaca. É um reflexo de como ele enxerga o outro, sempre de um jeito carinhoso – explica. – São obras que contam histórias, falam de percalços, sofrimentos, humores e alegrias tão familiares às pessoas. É como o nome da exposição sugere: a vida nada mais é que um grande labirinto de situações inesperadas.  

Fernanda acrescenta que qualifica a obra do mineiro de “desfrutável”, graças a sua grande habilidade de se conectar com as pessoas. E não só em um nível emocional. Afinal, três das obras exibidas na exposição são interativas. É o caso, por exemplo, de “Fiotim”, museu em movimento que vem cruzando o Brasil, e “Renascedouro”, uma espécie de tiro ao alvo onde a pessoa derruba as fraquezas humanas: medo, inveja, tédio, raiva ou preguiça. Todas, como é típico na obra do artista, unindo artesania, arte conceitual, pop e kitsch.

– É algo que fala do real, da vida como ela é, mas não de uma forma endurecida e sim cheia de afeto. É difícil observar uma das obras e não abrir um sorriso. E ao mesmo tempo é ácida, irônica, remete aos sentimentos mais íntimos – resume Fernanda. Confira algumas das obras que integram a exposição na galeria abaixo:

“Labirinto de Amor”, individual de Jorge Luiz Fonseca
Em cartaz de 27 de maio a 29 de julho de 2018

Caixa Cultural São Paulo
Praça da Sé, 111 – Centro
Funcionamento: ter – dom, 9h às 19h
T: (11) 3321-4400
caixaculturalsaopaulo01@caixa.gov.br



O PIPA respeita a liberdade de expressão e adverte que algumas imagens de trabalhos publicadas nesse site podem ser consideradas inadequadas para menores de 18 anos. Copyright © Instituto PIPA