Toz, Vista da exposição "Povo Insônia", 2017

Toz apresenta individual na Chácara do Céu

(Rio de Janeiro, RJ)

Seja nas telas, em toy arts ou nos muros da cidade, o baiano Toz criou uma verdadeira galeria de personagens. É dele, por exemplo, o monstrinho Shimu, que se prolifera pela urbes carioca; ou Nina, delicada garotinha de traços orientais e cabelos ao vento. Desde setembro do ano passado, no entanto, um desenho menos conhecido seu vem roubando a cena. É o Insônia que, em diálogo com a coleção do Museu da Chácara do Céu, protagoniza a individual “Povo Insônia”.

Em cartaz até o final de janeiro, a exposição apresenta pinturas, fotografias, manequins e uma instalação sonora, a última no jardim do museu. Todas retratam Insônia e seus iguais, o tal “Povo Insônia” que dá nome à individual. A civilização imaginária foi a maneira que o grafiteiro encontrou de discutir a herança da cultura africana no país.

A programação integra o projeto “Os Amigos da Gravura” que, inaugurado em 1992 pelos Museus Castro Maya (organização à qual pertence o Museu da Chácara do Céu), celebrou bodas de prata no ano passado. A cada edição, ele convida um artista para produzir gravuras ou múltiplos exclusivos, com tiragem limitada. Toz criou 60 estátuas de porcelana do personagem, todas pintadas à mão. A quantidade não é suficiente para inaugurar uma civilização – mas quem sabe um dia?

“Povo Insônia”, individual de Toz
Em cartaz de 15 de setembro de 2017 a 29 de janeiro de 2018

Museu da Chácara do Céu
Rua Murtinho Nobre, 93 – Santa Teresa
Funcionamento: qua – seg, 12h às 17h
T: (21) 3970-1093
chacara@museuscastromaya.com.br
Entrada franca às quartas



O PIPA respeita a liberdade de expressão e adverte que algumas imagens de trabalhos publicadas nesse site podem ser consideradas inadequadas para menores de 18 anos. Copyright © Instituto PIPA