Os quatro finalistas do Prêmio PIPA 2017, da esquerda para a direita: Éder Oliveira, Bárbara Wagner, Antonio Obá e Carla Guagliardi

Exposição dos Finalistas do Prêmio PIPA 2017 em cartaz no MAM-Rio

(Rio de Janeiro, RJ)

Antonio Obá, Bárbara Wagner, Carla Guagliardi e Éder Oliveira. Há quem diga que os quatro finalistas do Prêmio PIPA 2017 não podiam ser mais diferentes entre si. Vindos de diversas parte do país – Obá é de Brasília; Bárbara nasceu no Distrito Federal, mas cresceu em Recife; Carla é carioca, e vive entre o Rio e Berlim; e Éder é de Belém do Pará –, cada um se especializou em um suporte distinto. O curador do Instituto PIPA, Luiz Camillo Osorio, vê, no entanto, coisas em comum entre os quatro. Um diálogo que se concretizou através da Exposição dos Finalistas do Prêmio PIPA 2017, cuja abertura no último fim de semana reuniu cerca de 400 pessoas no MAM-RioAssista abaixo ao vídeo de montagem da exposição, produzido pela Do Rio Filmes exclusivamente para o Prêmio PIPA:

Assim, apesar das diferenças, é fácil encontrar pontos de contato entre as obras dos finalistas. Bárbara Wagner e Éder Oliveira, por exemplo, apresentam trabalhos cuja preocupação central é a identidade regional de onde nasceram – respectivamente, o Nordeste e o Norte do país.

Bárbara expõe obras que repensam duas danças típicas do Carnaval pernambucano, o frevo e o maracatu nação. Em “Faz que Vai”, série que engloba um vídeo e quatro fotografias, os movimentos exigidos pelo frevo são combinados aos de danças pop nas performances de quatro bailarinos. Já “A Corte” retrata integrantes de um grupo de maracatu de Recife momentos antes de desfilarem no Carnaval. Fantasiados, eles protagonizam uma alegoria sobre a imutabilidade das relações sociais brasileiras desde os tempos coloniais.

Bárbara Wagner, “A corte”, 2013

Éder Oliveira, por sua vez, reproduziu em uma das paredes do MAM-Rio um dos painéis monumentais da série “Arquivamento”. Desenvolvida desde 2004, ela retrata, em cores primárias, indivíduos apontados como criminosos pelos jornais populares de Belém do Pará.

– A ideia é questionar por que são sempre essas mesmas pessoas que estão relacionadas a situações de vulnerabilidade e criminalidade – explica Oliveira, que realizou a pintura da obra em apenas três dias, durante a montagem da mostra.

Éder Oliveira, série “Arquivamento”, 2004-

Antonio Obá e Carla Guagliardi, por outro lado, tomam vias mais alegóricas para refletir sobre a realidade. Carla apresenta no MAM-Rio “Fuga II”. A obra é uma continuação da pesquisa escultórica que ela vem desenvolvendo há trinta anos, e combina blocos de concreto, tubos de cobre e uma corda elástica. Os temas que permeiam a obra da artista aparecem de novo ali: imobilidade e mobilidade, temporalidade e atemporalidade, peso e leveza.

Carla Guagliardi, “Fuga II”, 2017

Por fim, Antonio Obá – indicado pela primeira vez ao Prêmio PIPA este ano – exibe na Exposição dos Finalistas do Prêmio PIPA 2017 o que chamou de “Ambiente com Espelhos”. A instalação consiste em uma série de molduras antigas cujos espelhos foram substituídos por placas de ferro. Ao lado de cada quadro, uma monotipia representando uma parte do corpo de Obá. A obra procura refletir sobre uma identidade nacional, brasileira, através da construção desses espelhos que nada refletem.

– Na verdade, minha proposta é problematizar isso: ao mesmo tempo em que você se enxerga por ser um espelho, é um espelho que não te oferece uma precisão, é sempre duvidoso. Não é uma identidade precisa, mas uma identidade passageira, frágil.

Antonio Obá, série “Ambiente com Espelhos”, 2017

Os quatro finalistas concorrem ao prêmio principal do PIPA, no valor de R$130 mil – o montante inclui a participação do artista ganhador em um programa de residência artística da Residency Unlimited, em Nova York, por três meses. O vencedor é escolhido pelo Júri de Premiação 2017, cuja formação você conhece neste post. Eles concorrem ainda ao PIPA Voto Popular Exposição, categoria que premia com R$24 mil o artista preferido dos visitantes da mostra no MAM-Rio. Para contribuir, basta votar no seu artista favorito em uma urna localizada na área de convivência da exposição até 05 de novembro.

Os vencedores das duas categorias serão anunciados no dia 18 de novembro, mesmo dia em que será lançado o catálogo da oitava edição do PIPA. Até lá!

Confira algumas fotos da abertura da exposição:

“Exposição dos Finalistas do Prêmio PIPA 2017”, coletiva com Antonio ObáBárbara WagnerCarla Guagliardi and Éder Oliveira
Em cartaz de 23 de setembro até 26 de novembro de 2017

Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM-Rio)
Av. Infante Dom Henrique, 85 – Parque do Flamengo
Funcionamento: ter – qui, 12h às 18h, sab, dom e feriados, 11h às 18h
T: (+55 21) 3883-5600
atendimento@mamrio.org.br



O PIPA respeita a liberdade de expressão e adverte que algumas imagens de trabalhos publicadas nesse site podem ser consideradas inadequadas para menores de 18 anos. Copyright © Instituto PIPA