Éder Oliveira, Untitled (series “Pixel”), 2016

Éder Oliveira e o retrato do homem amazônico

“Eu me interesso pelas pessoas”, explica Éder Oliveira enquanto constrói, com fita crepe e barbante, uma espécie de grade quadriculada na parede do MAM-Rio. É a primeira de três etapas até a finalização da obra que produz, in loco, especialmente para a Exposição dos Finalistas do Prêmio PIPA. O processo é lento, mas Éder está acostumado: “aprendi que, quanto mais detalhado é esse primeiro momento, mais fácil fica para pintar depois”.

O aprendizado veio com o tempo. Éder iniciou em 2004 sua pesquisa sobre a questão do retrato. Na época, queria apenas retratar pessoas comuns – gente que, como ele, representasse uma certa identidade do homem amazônico, mistura de traços negros, mestiços, caboclos e indígenas. Procurando referências, no entanto, acabou se deparando com as páginas policiais dos jornais de Belém. Nelas, supostos criminosos capturados pela polícia têm suas fotos publicadas em cores e grandes formatos antes mesmo de serem julgados.

Éder começou a colecionar as fotos, reproduzindo-as em proporções monumentais e cores primárias em ruas e galerias. Ao se apropriar das figuras dos homens, retirava-as de seu contexto de violência original em direção a um olhar mais humanista. Transformava mídia de massa em obra de arte; “bandido bom é bandido morto” em ser humano.

Para o finalista, a indicação ao Prêmio PIPA tem ajudado a divulgar seu trabalho mesmo entre os seus conterrâneos, em Belém. “É a segunda vez que eu sou indicado, mas agora veio essa feliz surpresa, de ser finalista, e tem sido muito bom toda essa repercussão que o Prêmio tem”, comenta. “Ver as pessoas torcendo, comentando, primeiro no PIPA Online, agora com a final com o Júri, tem sido muito coletivo. O PIPA serve como uma espécie de termômetro para o que está acontecendo agora, e fico muito feliz de participar.” 

Assista à entrevista exclusiva de Éder Oliveira para o Prêmio PIPA 2017:

A Exposição dos Finalistas do Prêmio PIPA 2017 abre neste sábado, 23 de setembro, às 15h. Não perca!

 



O PIPA respeita a liberdade de expressão e adverte que algumas imagens de trabalhos publicadas nesse site podem ser consideradas inadequadas para menores de 18 anos. Copyright © Instituto PIPA