Comunicado de Jorge Luiz Fonseca, vencedor do PIPA Online 2017

A pedido do artista Jorge Luiz Fonseca, vencedor do PIPA Online 2017, publicamos um texto de sua autoria abordando os eventos recentes relacionados à competição. Leia o texto na íntegra abaixo:

“Foi com muita felicidade que recebi o resultado final do Prêmio PIPA Online e a esperada confirmação da lisura do processo de votação.

Passei o dia de segunda-feira aguardando a divulgação oficial e acompanhando, calado, as várias manifestações pró e contra o resultado da votação, inclusive as insinuações de fraude, já devidamente rechaçadas pela direção do Prêmio.

Permaneci firme e tranquilo. Quem insinuou tal coisa não me conhece, nem tampouco conhece meu trabalho.

Eu sei de onde veio cada apoio inicial à minha proposta (embora não conheça os ‘amigos’, dos ‘amigos’, dos ‘amigos’…) e o quanto foi árduo, mas também prazeroso, conquistá-los.

O que não me impede de reconhecer – como pude verificar nos comentários na página do PIPA no Facebook – a onda de comentários inaceitáveis, feitos por haters, que se abateu sobre a artista concorrente que ficou em segundo lugar. É preciso que fique claro que essas pessoas, responsáveis por tais comentários, não me representam e não fazem parte dos grupos que mobilizamos durante a campanha para minha eleição no PIPA Online. E muito me entristece a possibilidade de que alguns votos que me tenham sido concedidos (se isso de fato aconteceu) tenham vindo de pessoas que se posicionam de forma tão abominável perante a vida, o outro e a arte (apesar de ter entendido que, na averiguação feita pelo Prêmio PIPA, os eleitores não coincidem com as pessoas que se manifestaram contra a artista). Não é difícil perceber, entretanto, que diante da diferença de 1.136 votos, se essas pessoas votaram elas são minoria.

Reafirmo, portanto, que repudio toda forma de discriminação e não compactuo com posturas racistas, misóginas e/ou desrespeitosas – tudo isso é totalmente contrário à proposta do meu trabalho, que busca agregar as pessoas e provar que poesia e vida podem e devem ser coextensivas e coexistentes.

Dessa forma, tenho como me posicionar, mas não como me responsabilizar pelos comentários pejorativos que apareceram nas redes sociais – enviados por pessoas que não conheço e não convoquei. E, nesse sentido, peço o cuidado necessário para que a atitude preconceituosa apenas não mude de lado – para que na ânsia (justa) de defesa da artista (com a qual me solidarizo) e indignação com o ocorrido, não se passe a desconsiderar o trabalho de toda uma vida, que tem sido feito com muito cuidado, dedicação e amor, sem abrir mão da postura crítica necessária à vida contemporânea.

A quem possa interessar, descrevo aqui o percurso da minha campanha durante o período de votação:

Ancorei minha divulgação na paz e na alegria, pautada, principalmente, no trabalho que mais me absorve atualmente, o “FIOTIM – O Museu em Movimento”, com o qual tenho viajado pelo Brasil, levando arte e contagiando multidões nas praças públicas.

Já no segundo dia, obtivemos uma votação que nos colocou nos primeiros lugares. Pessoas de todo o Brasil, centenas delas que tiveram a oportunidade de vivenciar a experiência artística FIOTIM, manifestaram o seu agradecimento em forma de votos e estímulos. Seguimos fortes e crescendo, durante toda a semana, ao ponto de no sábado já estarmos no segundo lugar. Familiares, amigos e toda a imprensa de Conselheiro Lafaiete – minha terra natal -, de Ouro Preto – cidade querida onde vivo -, além de amigos e simpatizantes de várias partes do Brasil, deram força e consistência à nossa campanha. A crescente adesão nos colocou, na manhã de domingo, em pé de igualdade para disputar o primeiro lugar. No início da tarde, chegou o reforço decisivo para a espetacular virada: o apoio maciço da comunidade dos MCs – de todo o Brasil (de certa forma, o Jorge K, personagem que ‘apresenta’ o FIOTIM, é um MC, que já ‘contracenou’ com bailes charm, maracatu, samba de roda, palhaços, malabaristas, atores, drag queens, cantores, contadores de histórias, enfim, artistas e manifestações artísticas e culturais de naturezas as mais diversas. Isso é FIOTIM!). E não é válido dizer que foi mobilizado um grupo de fora do circuito das artes – todos os artistas que se empenharam em conseguir votos fizeram isso, apelando para amigos, familiares e conhecidos de todas as esferas. O mérito dos artistas foi aferido na indicação. Na votação online, o resultado é mesmo fruto de divulgação e de mobilização na rede – esse veículo perigoso e altamente contemporâneo, mas que também serve aos bons propósitos da arte.

O que entendo que aconteceu foi uma identificação de propósitos, expectativas e afinidades, vinda de vários segmentos da sociedade e de várias instâncias da arte, além do reconhecimento de todo um trabalho, que é fruto de mais de 22 anos de intensa pesquisa e prática incansável.

Os fatos lamentáveis ocorridos, uma vez que alheios à minha vontade e ao meu conhecimento, não tirarão o mérito de uma conquista que não é só minha, mas também de todos os que se envolveram com a minha proposta de trabalho.

O meu respeito e o meu abraço a todos!

Até breve.

Jorge Luiz Fonseca”



O PIPA respeita a liberdade de expressão e adverte que algumas imagens de trabalhos publicadas nesse site podem ser consideradas inadequadas para menores de 18 anos. Copyright © Instituto PIPA