Sete artistas falam sobre identidade e relacionamento no mundo de hoje

(Belo Horizonte, MG)

Identidade, esquecimento e perda são os assunto que atravessam a exposição “Ninguém me dirá quem sou nem saberá quem fui”, que termina hoje na Galeria Mama/Cadela. Os sete artistas que participam da mostra – entre eles, o indicado ao Prêmio PIPA 2017 Desali – apresentam um conjunto heterogêneo, mas coerente de trabalhos que vão das artes visuais à música e ao audiovisual.

Combinando memória pessoal e coletiva, os trabalhos discutem o limite, a fragilidade e os atritos da relação entre indivíduos e os espaços que eles ocupam no mundo. “Ninguém me dirá quem sou nem saberá quem fui”, título retirado de um poema de Fernando Pessoa do Livro do desassossego, é uma reflexão sobre o lugar do sujeito em meio às conturbações de um mundo caótico. Como coloca Randolpho Lamonier em entrevista ao site Uai, “os versos, neste cenário cultural e político do Brasil, significam muito. Abrem a possibilidade de identificação. Não sei qual é a minha identidade, mas não é o outro quem vai me dizer”.

No dia do encerramento, os sete artistas participam de um debate sobre seus processos criativos mediado pela professora e fotógrafa Patrícia Azevedo.

“Ninguém me dirá quem sou nem saberá quem fui”, coletiva com Dayane Tropicaos, Desali, Francisco Pereira, Julia Baumfeld, Randolpho Lamonier, Sara Não Tem Nome e Victor Galvão
Em cartaz de 22 de junho até 07 de julho de 2017
Encerramento: Sexta-feira, 07 de julho, 20h às 23h

Galeria Mama/Cadela
Rua Pouso Alegre, 2048 – Santa Tereza
Funcionamento: seg – sex, 14h às 20h
T: (31) 2552-2048
contato@mamacadela.com.br



O PIPA respeita a liberdade de expressão, e adverte que algumas imagens de trabalhos publicadas nesse site odem ser consideradas inadequadas para menores de 18 anos.
Copyright © Instituto PIPA