Prêmio PIPA 2017 apresenta vídeo-entrevistas exclusivas com os artistas indicados

Uma das principais metas do Prêmio PIPA é ampliar o conhecimento sobre a arte contemporânea brasileira, aqui e lá fora – e não há maneira melhor de fazer isso do que através de seus próprios artistas. Assim, todo ano, o Prêmio convida todos os artistas da edição a discutir suas motivações, ideias e carreiras em vídeos exclusivos para o site. Já estão disponíveis 14 destas entrevistas com os indicados à oitava edição, produzidas pela Do Rio Filmes, no YouTube do PIPA. Abaixo, você confere cinco delas, com Dalton Paula, Rodrigo Garcia Dutra, Paloma Bosquê, Rubiane Maia Guy Veloso.

Dalton Paula

Dalton Paula, que participa do Prêmio PIPA pela primeira vez este ano, costuma dividir seu processo criativo em três etapas. Primeiro, estuda sistematicamente os temas e estéticas que pretende abordar. Depois, vai a campo, onde estabelece relações com pessoas e lugares. É só então que ele volta para o ateliê, construindo um trabalho intimamente relacionado ao corpo negro e a herança escravocrata no país.

Acesse a página de Dalton Paula para conhecer mais sobre sua obra e ver outros vídeos e imagens de trabalhos.

 

Rodrigo Garcia Dutra

Um pedaço de bambu na terra, um tecido de presente, uma maracá de ritual indígena ou do Santo Daime. Tudo pode virar arte para Rodrigo Garcia Dutra, indicado pela terceira vez ao Prêmio PIPA este ano. “A arte aparece para você”, diz. É, assim, reinterpretando e rearranjando o acaso através do desenho, pintura, escultura ou vídeo, que ele constrói suas obras.

Acesse a página de Rodrigo Garcia Dutra para conhecer mais sobre sua obra e ver outros vídeos e imagens de trabalhos.

 

Paloma Bosquê

Não adianta: os ateliês de Paloma Bosquê inevitavelmente ficam pequenos demais para os seus trabalhos. É que a pesquisa da artista, três vezes indicada ao Prêmio PIPA, envolve um contato intenso com a matéria e sua fisicalidade, sendo formada sobre tudo por esculturas e instalações.

Acesse a página de Paloma Bosquê para conhecer mais sobre sua obra e ver outros vídeos e imagens de trabalhos.

 

Rubiane Maia

Para Rubiane Maia, indicada ao Prêmio PIPA pela primeira vez este ano, a arte é uma necessidade cotidiana. “Não sei dizer se física, espiritual, emocional. Mas eu acho que como uma necessidade de me expressar, de entender um pouco qual é a minha relação com tudo o que está à minha volta.” Trabalhando no limiar do vídeo e a performance, a artista, que nasceu em Caratinga, busca lidar com tudo que é frágil, vulnerável, e até mesmo intransponível.

Acesse a página de Rubiane Maia para conhecer mais sobre sua obra e ver outros vídeos e imagens de trabalhos.

Guy Veloso

“No meu caso, a arte é uma necessidade espiritual. Tanto que eu fotografo a espiritualidade”, explica Guy Veloso, artista indicado ao Prêmio PIPA pela primeira vez este ano. Fotografando principalmente rituais religiosos, ele conta que acaba aprendendo muito de si mesmo através dos olhos, dos movimentos e tradições dessas pessoas.

Acesse a página de Guy Veloso para conhecer mais sobre sua obra e ver outros vídeos e imagens de trabalhos.



O PIPA respeita a liberdade de expressão, e adverte que algumas imagens de trabalhos publicadas nesse site odem ser consideradas inadequadas para menores de 18 anos.
Copyright © Instituto PIPA