Vídeo Exclusivo | “O pensamento quando falamos de arte”

Uma alternativa à linguagem verbal, sempre imprecisa. Uma forma de expressão do inconsciente. Uma fábula. Estas foram algumas das metáforas utilizadas para pensar a arte e o fazer artístico por Luiz Camillo Osorio, curador e conselheiro do Instituto PIPA e diretor do Departamento de Filosofia da PUC-Rio, Cadu, vencedor do PIPA 2013 e integrante do Comitê de Indicação do PIPA, e a artista Martha Pires Ferreiracoordenadora de artes plásticas na Casa das Palmeiras, um dos espaços criados por Nise de Silveira para aplicar a arte no contexto de reabilitação de pacientes psiquiátricos.

Partindo de uma indagação de Marta Mestre – então curadora-assistente no MAM-Rio e hoje curadora do Inhotim – em uma entrevista à edição do ano passado do Prêmio, o PIPA organizou uma mesa redonda para discutir, afinal, o que significa pensar o universo artístico. Como funciona a cabeça do artista durante a produção de uma obra? Existe um pensamento lógico por trás dos trabalhos, ou toda produção artística depende inteiramente da inspiração? Até que ponto se faz necessário um discurso intelectual para sustentar uma obra? A obra tem de se fazer entender mesmo com ausência de uma justificativa formal?

Os pontos de vista de Luiz Camillo Osorio, Cadu e Martha Pires Ferreira, que podem ser conferidos no vídeo abaixo, sugerem mais perguntas do que respostas. Talvez porque a discussão, fazendo uma analogia com uma fala de Martha, ultrapasse as bordas da pintura – para ir além.



O PIPA respeita a liberdade de expressão e adverte que algumas imagens de trabalhos publicadas nesse site podem ser consideradas inadequadas para menores de 18 anos. Copyright © Instituto PIPA