Últimos dias | Virginia de Medeiros apresenta a mostra “A Réplica Infiel” em Madrid

(Madrid, Espanha)

O Centro de Artes Dos de Mayo recebe, entre os dias 17 de março e 25 de setembro, a exposição coletiva “A Réplica Infiel”, com a artista Virginia de Medeiros. A mostra tem curadoria de Nuria Enguita e Nacho París.

12898420_1028840350492874_35188875542565610_o

A história da produção de imagens no Ocidente está indissociavelmente ligada à sua função como um meio ou instrumento ao serviço de um final externo mágico, religioso, político. No entanto, desde o advento do modernismo, trabalhos de arte, práticas artísticas e a exposição como evento parece ter conquistado autonomia total. O problema é que esta conquista pode ser apenas aparente, uma vez que, ao invés de dar a arte a sua própria voz a questionar o sentido do que existe, é simplesmente relegado a um lugar social institucionalizado e desligado de crenças coletivas, como uma atividade que existe fora da experiência de vida e só ganha sentido quando refere-se a si mesmo. Uma estetização difusa é sustentada por uma recepção contemplativa que, em último caso, voltam a produção artística à sua origem teológica, a um domínio da teoria externa para o trabalho, em que encontramos um traço de idealismo dominante na sociedade contemporânea.

Este projeto questiona a condição da obra de arte e suas possibilidades. Questiona sobre o que o trabalho poderia ser ou dizer e se na realidade disse ou fez. Propõe uma reflexão, inevitavelmente ética-política, de representação e realidade, de possibilidades e responsabilidades do ato artístico como conhecimento, questionando o poder de representações, não para refletir a realidade, mas para procurar o seu significado. Em outras palavras, sobre a relação da arte com a capacidade existência e como linguagem para gerar significado.

Concluindo que a construção de sentido é o resultado de uma luta política cujas regras estão mudando constantemente e devem ser revistas a qualquer momento, A Réplica Infiel traz o olhar para a luta entre as forças envolvidas na construção de significado. Queremos discutir a arte como linguagem; Pensamos como dizer, para saber o que dizer, e o que é possível dizer a partir do lugar da arte.

Mais do que propor uma interpretação ou uma questão que dá origem a uma reunião de obras e artistas, em uma pequena exposição, o projeto se posiciona como um dispositivo para a discussão dos limites e do poder da arte como ato de fala e invenção em combate com e contra o seu próprio método e as tradições e condições que o deificam e instrumentalizam.

Uma réplica é tanto uma reprodução de formas como uma réplica de ideias; É, ao mesmo tempo, uma resposta e uma cópia supostamente idêntica. A Réplica Infiel pode não ser uma cópia exata da ideia original e talvez nem mesmo acreditar nisso, é por isso que queremos uma vida para além das razões de sua origem.

“A Réplica Infiel”, coletiva com Anna Boghiguian, Saskia Calderón, Sunah Choi, Virginia de Medeiros, Carla Filipe, Isaías Griñolo, Julio Jara, Teresa Lanceta, Xavier Le Roy, Xisco Mensua, Anna Oppermann, Inmaculada Salinas, Mladen Stilinović e Scarlet Yu.
Curadoria de Nuria Enguita e Nacho París
Abertura: 17 de março
Em cartaz até 25 de setembro

Centro de Artes Dos de Mayo
Avda. Constitución, 23 – 28931 Móstoles – Madrid, Espanha
Funcionamento: De terça a domingo, de 11h às 21h
T: +34 91 276 02 21 | +34 91 618 04 69
ca2m@madrid.org



O PIPA respeita a liberdade de expressão, e adverte que algumas imagens de trabalhos publicadas nesse site odem ser consideradas inadequadas para menores de 18 anos.
Copyright © Instituto PIPA