“Círculo de giz e um pouco sobre sólidos”, dá prosseguimento às criações com vidro, chumbo e taxidermia

(São Paulo, SP)

A Galeria Marcelo Guarnieri recebe, entre os dias 4 de junho e 16 de julho, a mostra individual de Ana Paula Oliveira: “Círculo de giz e um pouco sobre sólidos”.

unspecified-9

Desde o dia 4 de junho, a Galeria Marcelo Guarnieri (São Paulo) está ocupada pela produção da artista Ana Paula Oliveira. Sua primeira individual na galeria nomeada de “Círculo de giz e um pouco sobre sólidos”, dá prosseguimento às criações com vidro, chumbo e taxidermia, do mesmo modo em que também avança nas pesquisas espaciais da artista.

A trajetória da artista é pontuada pela criação de instalações que nascem a partir da tensão entre atração e repulsa e entre estabilidade e desequilíbrio. O resultado visual causa uma mescla de estranhamento e interesse, que sempre desperta o olhar e a aproximação.

Os materiais e procedimentos operados por Ana Paula partem desde a tradição escultórica – mármore e fundição – até materiais considerados ordinários e não nobres – borracha, plástico, graxa. Eles funcionam na produção da artista como mediadores entre o artesanal e o industrial, entre a tradição e seu desmantelamento. É possível observar essas oposições no trabalho Vetores, no qual a artista faz uma cópia da estátua grega “Discóbolo”, executada pela primeira vez em torno de 455 a.C, no entanto, a escultura atual é feita com outro material, ao invés de bronze ou mármore, a peça é executada em alumínio com Espadas de São Jorge saindo de algumas das articulações do corpo do imponente atleta. A utilização de materiais vivos é uma operação quase sempre orquestrada pela artista, em trabalhos anteriores era possível encontrar pássaros, borboletas, galinhas, peixes e jabuticabeiras, que conviviam durante o período expositivo com o público – galinhas se empoleiravam nas esculturas, borboletas nasciam de partes de peças de mármore e passarinhos faziam de comedouro materiais colocados no ambiente.

Todos os trabalhos da exposição emulam um movimento, seja ele percebido pelo público ou algo invisível – as plantas crescem e se desenvolvem durante a exposição, os pássaros taxidermizados Manon na Série Vistaña simulam um voo pelas placas de vidro. O mesmo acontece em Círculo de giz e um pouco sobre sólidos, na qual chapas-lâminas de vidro assimétricas cortadas a laser criam uma incomum perspectiva de espaço. Cada vidro é puxado por uma ave moldada a partir do corpo de um animal real e fundida em chumbo. Essas chapas-lâminas são sustentadas por sólidos geométricos que criam o peso necessário para o trabalho.

Na obra Para Avistar, a artista utilizou um banco que pertencia ao seu pai e o fundiu com uma peça modelada em ferro que atravessa a parede e forma uma instalação que anula a possibilidade do ato de sentar.

Por fim, um outro tipo de ocupação espacial é o que acontece com a vídeo instalação Vai que Vai, no vídeo, uma sequência de imagens em câmera lenta exibem o momento da quebra de placas de vidro e a queda dos  peixes de chumbo. As imagens simulam o movimento das águas e a subida dos peixes durante a piracema, no entanto, o ato nunca se completa.

Esses e outros trabalhos de Ana Paula Oliveira poderão ser vistos de perto até o dia 15 de julho na Galeria Marcelo Guarnieri (São Paulo)

Veja algumas obras da artista:

Assista aos vídeos das instalações da mostra:

“Círculo de giz e um pouco sobre sólidos”, individual de Ana Paula Oliveira.
Abertura: 4 de junho
Em cartaz até 16 de julho

Galeria Marcelo Guarnieri
Alameda Lorena, 1966 | São Paulo – SP – Brasil
Funcionamento: Segunda a sexta, de 10h às 19h | Sábado 10h às 17h
T: +55 (11) 3063 5410 | 3083 4873
galeriamarceloguarnieri@gmail.com



O PIPA respeita a liberdade de expressão e adverte que algumas imagens de trabalhos publicadas nesse site podem ser consideradas inadequadas para menores de 18 anos. Copyright © Instituto PIPA