Bienal das Américas 2015 apresenta obras de André Komatsu, Marcelo Cidade e Marcius Galan

(Denver, EUA)

A Bienal das Américas celebra arte de todo o hemisfério oeste, juntamente com outras atividades para gerar reflexão criativa e crítica, e promover engajamento. Em 2015 o evento é realizado em Denver, do 14 ao 19 de julho, em museus e espaços por toda a cidade.

O tema para a Bienal desde ano é “Now!”, visto que hoje em dia pisamos em terrenos movediços, com um pé na nova era geológica e outro protelando nas estruturas do passado. Nossas relações com outras pessoas, informação, natureza e tecnologia reinventam a forma como vivemos. Novos movimentos pedem novas condições de vida e política. O agora é uma promessa imensa e também perigo em potencial.

A Bienal das Américas de 2015 mergulha fundo nas circustâncias do presente, procurando entender os contextos, condições e desafios que existem no hemisfério oeste. Desta posição de conhecimento desenvolve-se uma plataforma para ação no sentido de um futuro mais bem informado.

Marcelo Cidade - "Geometria do Colapso"

A exposição principal “Now? Now!” [“Agora? Agora!”] da Bienal das Américas de 2015 oferece uma experiência dramática e surpreendente, capturando a atmosfera da vida no hemisfério oeste hoje. Os artistas refletem sobre a complexidade do nosso tempo – suas tecnologias penetrantes, suas formas de criatividade emergentes e engajamentos sociopolíticos, suas concepções de identidade em constante mudança e suas economias interdependentes. A exposição levanta questões relevants sobre as Américas e o Caribe, destacando eventos polêmicos como os protestos nos Estados Unidos, as reformas políticas no México e as relações em mudança entre Estados Unidos e Cuba. Viva com imagens e sons, a exposição é uma experiência condensada do nosso tempo.

André Komatsu - "Invisible Movement"

Nesta exposição, artistas das Américas e do Caribe usam arte para reponder à vida no momento presente. Alguns refletem na forma como a tecnologia muda nossas interações, como Ryan Trecartin, Hitashya.org (Kari Altmann), e Zach Blas. Outros refletem sobre o clima político atual em seus países, como Diego Berruecos e Marcelo Cidade. A ecologia interligada das Américas é outro tema recorrente, aparente nas obras de Chris Coleman e Laleh Mehran, e Sarah Anne Johnson. Finalmente, muitos artistas mostram como o agora é moldado pelo que aconteceu antes e afeta o que acontecerá a seguir, como Mariana Castillo Deball. Octavio Paz disse, “o presente é alternadamente luminoso e sombrio”. É de uma vez só cheio de potencial e local de grande perigo. Coletivamente, os artistas em “Now? Now!” criam uma complexa e às vezes conflituosa imagem do nosso tempo neste lado do globo. A exposição é uma oportunidade de propor questoões importantes sobre como vivemos juntos e como se engajar individualmente tanto como uma comunidade internacional, no sentido de um futuro mais luminoso. A curadoria é de Lauren A. Wright, diretora artística e curadora da Bienal das Américas, com Anya Pantuyeva, curadora assistente.

A exposição apresenta obras de:
Kim Allen, Kari Altmann, Diego Berruecos, Zach Blas, Mariana Castillo Deball, Marcelo Cidade, Donna Conlon e Jonathan Harker, Sterling Crispin, Debora Delmar Corp., Radamés “Juni” Figueroa, LaToya Ruby Frazier, Coco Fusco, Marcius Galan, Anna Bella Geiger, David Hartt, Karl Haendel, Sarah Anne Johnson, André Komatsu, Robert Longo, Jorge Macchi, Laleh Mehran and Chris Coleman, Adam Milner, Aliza Nisenbaum, Fernando Ortega, Bernardo Ortiz, Adam Pendleton, Tania Pérez Córdova, Joaquín Segura, Skawennati, Eduardo Terrazas, Ryan Trecartin

2015 Biennial of the Americas, com Marcelo Cidade, André Komatsu e Marciu Galan
Em cartaz até 30 de agosto
Entrada franca

Museum of Contemporary Art
1485 Delgany St – 80202
T.: (303) 298-7554
Visitação: das 10h às 17h



O PIPA respeita a liberdade de expressão, e adverte que algumas imagens de trabalhos publicadas nesse site odem ser consideradas inadequadas para menores de 18 anos.
Copyright © Instituto PIPA