Frame de "Americano", vídeo apresentado por Berna Reale na Bienal

Pavilhão Nacional da Bienal de Veneza, “É tanta coisa que não cabe aqui”, com André Komatsu, Antonio Manuel e Berna Reale

A 56ª edição da Bienal de Veneza acontece até novembro. O título escolhido para a mostra internacional deste ano é “All the World’s Futures” [“Todos os Futuros do Mundo”].

Nas tradicionais Participações Nacionais, o Pavilhão Brasileiro recebe a mostra “É tanta coisa que não cabe aqui”, com trabalhos de André Komatsu, Antonio Manuel e Berna Reale, curadoria de Luiz Camillo Osorio e assistência de Cauê Alves.

A exposição tem repercutido na imprensa nacional e internacional. Diversos jornais brasileiros repercutiram o sucesso da mostra enquanto o jornal inglês The Guardian incluiu a instalação “Nave”, de Antonio Manuel, entre as melhores obras apresentadas em toda a Bienal.

As obras e os artistas

Antonio Manuel é artista plástico, ilustrador e escultor, nasceu na cidade de Avelãs de Caminha, em Portugal e chegou ao Brasil com seis anos de idade, em 1953. Sua primeira exposição individual foi realizada em 1967, na Galeria Goeldi. No ano seguinte, no evento “Apocalipopótese”, organizado por Hélio Oiticica, criou as “Urnas Quentes”, obra que consistia em caixas de madeira com imagens e textos de jornal que deveriam ser quebradas pelo público. No 19º Salão Nacional de Arte Moderna, inscreveu o trabalho O Corpo é a Obra, que acabou recusado pelo júri. Em protesto, o artista desceu nu as escadas do MAM do Rio de Janeiro.

André Komatsu nasceu em São Paulo, em 1978 e foi finalista do PIPA em 2011. Sua obra surgiu no cenário do país há cerca de dez anos. Seu trabalho faz parte de uma geração de artistas nascidos na virada dos anos 1970 para 1980, que cresceu com a democracia retomada no Brasil. Este pano de fundo é importante para se compreender a obra deste artista, segundo a crítica Luisa Duarte.

Berna Reale é natural de Belém do Pará. Vencedora do PIPA Online em 2012, foi finalista do Prêmio no ano seguinte. Trabalhando como perita criminal do Centro de Perícias Científicas do Estado do Pará, Berna vive de perto as mais diversas questões de delito e conflitos sociais. Em sua obra, a artista reflete sobre o mundo e a vulnerabilidade humana, tendo na violência seu grande foco de atenção.

Entrevistas

O curador Luiz Camillo Osorio concedeu entrevista exclusiva para o site da Bienal, na qual fala da escolha dos artistas e da unidade entre as obras: A obra de Antonio Manuel, o primeiro artista que escolhemos para integrar o pavilhão, vem das décadas de 60 e 70, em que a ditadura ainda existia no Brasil. (…) Então temos no pavilhão uma peça de 1975, feita a partir da pesquisa do artista em um arquivo de jornal em que ele tirou fotos de pessoas torturadas pela polícia, as colocou em um filme, uma espécie de slideshow chamado “Semióticas”, que também brinca com as cores de cada um desses personagens. (…) O outro artista, Komatsu, hasteia uma bandeira de um par de sapatos, algo bastante comum no Brasil, onde pessoas criam seus territórios comuns “hasteando” sapatos, o que representa que o pavilhão é a voz das pessoas comuns, de qualquer pessoa, de todos. E a outra artista, Berna Reale, criou um video com seu próprio corpo correndo dentro de uma prisão no Brasil, junto da tocha olímpica. As Olimpíadas serão no país em 2016 e ela também diz com seu trabalho que os Jogos Olímpicos são feitas não só para a parcela formal da sociedade, mas também para as pessoas que são excluídas de alguma forma e vivem sob condições desumanas em prisões no Brasil.para ver a transcrição completa traduzida, clique aqui.

Assista ao vídeo (em inglês):

Também tratando da participação na Bienal, Berna Reale deu uma entrevista ao canal Arterial, onde fala também do projeto “Eccoci! – Estamos aqui!”, no qual projeta trabalhos em vídeo (que não entraram na Bienal) em casas dos moradores de Guardino di Vito Bon, no bairro de Cannaregio, o projeto foi recentemente o objeto de uma entrevista dada pela artista ao Estadão, clique aqui para ler.

Assista à entrevista:

Serviço:
“É tanta coisa que não cabe aqui”, com André Komatsu, Antonio Manuel e Berna Reale
Curadoria de Luiz Camillo Osorio | Curador assistente: Cauê Alves
Pavilhão Brasileiro da 56ª Bienal de Veneza

Giardini Castello, Padiglione Brasile, 30122 Veneza, Itália

Veja a repercussão da participação do Brasil na Bienal de Veneza na imprensa brasileira:

“Pavilhão Brasileiro – Bienal de Veneza”, Folha de S. Paulo
“Obras brasileiras na Bienal de Veneza corroem imagem de ‘Brasil potência'”, Folha de S. Paulo
“Pavilhão do Brasil abriu ao público nesta sexta-feira (8)”, revista Brasileiros
“Na Bienal de Veneza, pavilhão brasileiro faz crítica à falsa liberdade do indivíduo”, revista Brasileiros



Copyright © Instituto Investidor Profissional