Individual de Felipe Barbosa apresenta 16 obras inéditas e recentes

(Rio de Janeiro, RJ)

Felipe Barbosa apresenta desde 7 de junho a individual “Quadrado mágico”, sua primeira na Sergio Gonçalves Galeria, que o representa. Na mostra, Barbosa cria um diálogo entre jogos matemáticos e a arte, subvertendo o sentido dos objetos ao ressignificá-los entre formas e signos geométricos, que inspiraram o artista nas 16 obras que serão apresentadas na Galeria.

Para Felipe Barbosa, os quadrados mágicos possuem uma espécie de conexões ocultas com os números, onde ele busca fazer uma relação com os objetos que escolhe para trabalhar, trabalho este em que diversas sobreposições ganham formas geométricas. Como a série de painéis hexagonais com fichas e flâmulas dos anos 60, entre outros materiais, todos ganham status de arte nas obras do artista. “Assim como para os sufis e pitagóricos, acredito que os números e suas simetrias, entre as quais os quadrados mágicos, representam os estágios da criação, logo, procuro brincar com o abstrato e criar um novo mundo de possibilidades com a minha arte”, define o artista.

O quadrado mágico também já foi referência no futebol brasileiro, como era chamado o ataque da seleção brasileira na Copa de 2006. Com Kaká e Ronaldinho Gaúcho no meio, e Ronaldo e Adriano no ataque, pois se acreditava no poder de fogo dos quatro craques, que na época, estavam entre os atletas mais valiosos do mundo. Até mesmo o futebol vira arte nas mãos de Felipe Barbosa.

Conhecido pela forma como desconstruía e depois recontextualizava a própria bola de futebol, agora une camisas de times distintos, grandes rivais em campo, mas juntos na arte do futebol. A obra “Camisa Brasileira” é a primeira dessa nova série do artista, que já desperta a cobiça dos colecionadores acostumados às obras em que Felipe costurava as bolas de futebol.

Outra novidade nesta exposição são os volantes de Badminton, espécie de peteca usada neste esporte pouco praticado no Brasil, mas muito popular entre os ingleses, em que Felipe os aglomera como já havia feito com lápis, canetas, palitos de fósforos e guarda-sóis. Nessa obra, Felipe cria novas formas de expressão em que a serialização de unidades tomadas como banais, feitas, refeitas e colocadas de forma a darem forma a outros objetos, totalmente disfuncionais, configuram uma nova apropriação entre o fazer industrial e o readymade.

“Quadrado mágico”, mostra individual de Felipe Barbosa
Em cartaz até 27 de julho
Terça à Sexta de 11h às 19h
Sábado de 11h às 18h

Sergio Gonçalves Galeria
Rua do Rosário, 38 Centro
tel. +55 21 2263-7353 / 2253-0923



O PIPA respeita a liberdade de expressão e adverte que algumas imagens de trabalhos publicadas nesse site podem ser consideradas inadequadas para menores de 18 anos. Copyright © Instituto PIPA