“Mirante” | Artistas expondo no Joá

Galeria MUV apresenta MIRANTE:

A coletiva “Mirante” reúne cerca de 30 trabalhos de 26 artistas, entre projeções, instalações, fotografias, pinturas e esculturas.
A curadoria é da crítica de arte e jornalista Daniela Name (Membro do Comitê de Indicação do PIPA em 2011 e 2012), que aproveitou as características da própria galeria para pensar no projeto.

A MUV, galeria onde acontece o evento, ocupa uma casa no Joá, com uma pérgula que se debruça sobre a paisagem da Barra. Foi este espaço que sugeriu o recorte curatorial, em que o visitante vai poder ver trabalhos de diferentes suportes (pintura, desenho, escultura, vídeo e obras site specific) que se relacionam com a arquitetura e com a ideia de paisagem, tanto a natural quanto a afetiva, vinda das relações, dos encontros e da memória.

A antiga garagem e o espaço que antes era um salão de festas da casa foram transformados em áreas de exposição, mas há também trabalhos dentro da piscina, no jardim, na sauna, no campo de futebol e até mesmo nas fundações da casa.

Subir a montanha
Em 1336, Francesco Petrarca atingiu o topo do monte Ventoux, na Provence. O nome do monte vem do fato de ventar terrivelmente em seu topo, e a viagem era bastante complicada naquela época. Mas o pensador italiano convenceu o irmão e dois servos a acompanhá-lo, apenas porque queria enxergar aquilo que existia montanha abaixo com outra perspectiva. Ao conquistar seu monte-mirante, voltar para casa e escrever o relato da expedição, Petrarca plasmou para o Ocidente a noção de paisagem – a construção que o homem realiza para apreender o mundo que o cerca para se comparar e se medir com ele. Das geleiras de Caspar Friedrich à onda de Hokusai; do céu de Vermeer às ilhas encapadas por Christo; do sertão de Deus e o diabo ao navio iluminado de Amarcord: tudo é reinvenção da natureza e daquilo que foi erguido sobre ela. Tudo é filtro para compreender como aquilo que nos invade os olhos ecoa na cabeça, no coração e nas entranhas, modificando paisagens internas. Sim, há um horizonte do lado de dentro, como nos provam os artistas reunidos nesta exposição. Nas últimas décadas, a arte vem embaralhando paisagem, natureza-morta e retrato, sampleando fragmentos destes estatutos que orientaram a pintura clássica para criar categorias ainda não nomeadas, feitas de fusões e fragmentos. Na subida da encosta do Joá, construímos este nosso MIRANTE trazendo na bagagem a vertigem e o estranhamento desta paisagem híbrida. Encontramos nesta seleção de artistas os que atualizam e subvertem a relação com o sublime e com o “natural”. Também vemos a relação com a arquitetura e com a casa e um mergulho na piscina dos afetos, da subjetividade e da memória. No jogo de espelhos com o mundo, somos constantemente engolidos, mas também podemos comer – na mesa, na cama. Somos névoa e nuvem, estados que se precipitam. Miramos a miragem. Navegamos em nós mesmos como a canoa da Terceira margem de Guimarães Rosa, identidades fluidas: “eu, rio abaixo, rio afora, rio adentro – o rio”.

Por Daniela Name, curadora.

Dentre os participantes estão Camila Soato, Erica Ferrari, Ivan Grilo, Patrizia D’Angello e Pedro Varela.

“Mirante”, curadoria de Daniela Name
De 7 de setembro a 20 de outubro
MUV
Rua Paschoal Segreto nº 279, Joá.



O PIPA respeita a liberdade de expressão e adverte que algumas imagens de trabalhos publicadas nesse site podem ser consideradas inadequadas para menores de 18 anos. Copyright © Instituto PIPA